Beleza / Wellness

A determinação non stop de Patrícia Mamona

A melhor atleta portuguesa de triplo salto feminino começou a preparar-se para os Jogos de Tóquio assim que os do Rio terminaram. Mesmo com a pandemia do novo coronavírus — e o adiamento das Olimpíadas — os treinos não pararam.

A carregar o vídeo ...
19 de junho de 2020 | Aline Fernandez

Por causa da pandemia do novo coronavírus, os Jogos Olímpicos de Verão de 2020, em Tóquio, foram adiados para julho e agosto de 2021. Mas estes meses de confinamento não significaram tempo livre para Patrícia Mamona, finalista de triplo salto olímpica, campeã europeia e recordista nacional na mesma categoria. "A minha rotina é ter treinos diários", conta à Máxima. E conseguimos comprová-lo com algumas dos vídeos que a atleta partilha no seu perfil do Instagram.

Ver essa foto no Instagram

Boas sensações no treino de hoje! Agora um pouco netflix and chill... sugestões de séries para ver ? • Alright, slowly getting back to what I used to jump! Now it’s time to netflix and chill... any suggestions ? #amanhahamais #athlete #jumper #jump #trackandfield #athletics #hurdles #puma #tokyo #2021

Uma publicação compartilhada por PATRÍCIA MAMONA (@patriciamamona) em

Patrícia continua a empenhar-se em saltar mais além. "A minha preparação para os Jogos de Tóquio começou desde o momento que acabaram os Jogos Olímpicos do Rio, isto porque como atleta eu nunca estou satisfeita com a minha performance", confessa a lisboeta de 31 anos. "Fiz um sexto lugar, bati o recorde nacional, estava supercontente, mas no dia seguinte penso: ‘OK, o que faço a seguir?’"

Bateu o recorde no dia 10 de julho de 2016, no Campeonato Europeu de Atletismo, em Amesterdão, quando saltou 14,58 metros e conquistou a medalha de ouro, além de ter estabelecido um novo recorde nacional de triplo salto feminino. Depois, voou para os Jogos Olímpicos Rio 2016. A diferença entre o sexto lugar de Patrícia nas Olimpíadas do Rio de Janeiro para o terceiro — que garante a medalha de bronze — foram exatamente nove centímetros. Mesmo sem medalha, esta foi a melhor classificação de sempre do triplo salto feminino português, com 14,65 metros. "Mas também tenho a noção que melhorar esses poucos centímetros requer muito trabalho", diz.

"Também percebi que a nível mental há muito trabalho a fazer. Andei à procura — não só com a ajuda do meu treinador e da equipa médica da Federação, do Comité — de métodos para melhorar a minha recuperação para todos os dias conseguir estar no meu melhor e treinar", explicou-nos com um ar tranquilo, de quem reage com grande naturalidade frente à constante busca por desempenho cada vez melhor. "Assim vou descansada para casa porque sei que dei tudo", conta com um sorriso no rosto.

"Uma das coisas que aprendi é que eu não estava a dormir como deve ser", confessa. "Eu dormia as oito horas, mas havia dias que sentia que, mesmo dormindo as oitos horas, estava cansada." Descobriu mais tarde com o psicólogo e com o professor que trabalha com Patrícia na área do comportamento desportivo que o mais importante é conseguir fazer ciclos de sono completos — que duram por volta de uma hora e meia. "Eu interrompia o ciclo de sono. Isso foi uma dica bastante importante para mim."

Mesmo sem os Jogos Olímpicos este ano, veremos o lado positivo: Patrícia ganhou mais 365 dias para treinar. "Ficámos quatro anos à espera daquele momento então queremos mesmo, no meu caso, saltar muito." E não temos dúvidas de que vai chegar ainda mais longe.

Saiba mais Patrícia Mamona, atleta, triplo salto, Olimpíadas, treino
Relacionadas

Já conhece os benefícios da vitamina K?

Depois da obsessão com a vitamina C para uma pele imaculada, há uma vitamina menos conhecida (e muito benéfica) de que o seu organismo provavelmente tem deficiência: a K.

Mais Lidas
Entrevista Diogo Faro, o pugilista digital: "Odiaria que a minha vida fosse igual à das mulheres que são apalpadas e assediadas."

O comediante lisboeta tornou-se nos últimos anos uma voz ativa na luta pela igualdade de género. As provocações humorísticas de Diogo Faro sucedem-se no mundo virtual, espicaçam a atualidade, incomodam alguns e originam reflexões sobre o machismo, homofobia e racismo. O seu humor serve-se de ironia para fazer crítica social. Um combate que Diogo Faro abraçou totalmente.