C-Studio i

C-Studio

Saiba como tratar a queda de cabelo reacional

Esta condição pode ter como causa várias situações específicas. Umas mais difíceis de percecionar do que outras. Conheça a melhor forma de cuidar do cabelo e de combater a queda reacional.
Por Máxima, 27.03.2019

Stress, tratamentos médicos, dietas, mudanças de estação, traumas emocionais, pós-gravidez ou pós-aleitamento são alguns momentos da vida em que é preciso reforçar os cuidados com o cabelo para o fortalecer e nutrir, mas também para prevenir e tratar aquilo que chamamos de queda de cabelo reacional.

Antes de avançarmos no tema, convém esclarecer que nem toda a perda de cabelo é alarmante! Um adulto possui entre 90 e 140 mil fios de cabelo. Não vai conseguir contá-los um a um, mas pode confiar em nós (ou pelo menos acreditar na American Academy of Dermatology). Por dia, perdemos entre 50 e 100 fios.

Há situações em que este número tem tendência a aumentar, podendo mesmo chegar a duplicar ou triplicar, sem que o organismo consiga repor os níveis normais rapidamente. É aí que se entra no campo da queda de cabelo que, além de ser causa de um desconforto estético, é um problema que necessita de tratamento adequado.


Sinais que ajudam a identificar uma queda de cabelo fora do normal

1. Volume de cabelo visivelmente menor

2. Fios de cabelo constantes na almofada

3. Demasiados cabelos na escova, pente, toalha ou chão

4. Falhas desproporcionais no couro cabeludo


O QUE É A QUEDA DE CABELO REACIONAL?


Uma perda repentina e extrema de uma quantidade significante de cabelo, durante dois a quatro meses, nomeadamente depois da situação que a provoca. Considera-se queda reacional quando caem mais de 100 fios de cabelo por dia, "aos molhos" por todo o couro cabeludo.


Há ainda um nome científico para esta perda capilar: eflúvio telógeno. Acontece quando os folículos capilares entram numa fase de repouso, evitando que o cabelo cresça. Algumas semanas ou até meses depois, os fios de cabelo ligados a esse folículo afetado podem começar a cair repentinamente, em maior volume do que o normal.

O facto de estarmos a falar de uma queda de cabelo que deriva do stress leva-nos à questão do círculo vicioso. A queda de cabelo é também, por si só, causa de transformações na aparência, que desencadeiam mais stress emocional pela influência na autoestima, que, por sua vez, volta a alimentar o círculo.

Um dado que pode ser curioso: este é um fenómeno mais relevante no feminino. Dos 34% de mulheres que têm queda de cabelo, em 81% dos casos é determinada reacional. No masculino, a percentagem de homens com queda de cabelo até é maior – ronda os 45% –, mas em apenas 48% essa queda é determinada como reacional.

Felizmente, sabemos que, com este tipo de queda, o cabelo vai voltar a crescer normalmente assim que a origem do problema for neutralizada. No entanto, há medidas que podem ser adotadas para que este processo seja mais rápido e mais favorável.



Como evitar e tratar a queda de cabelo reacional?


As três primeiras estratégias são óbvias e comuns a todos os conselhos para uma vida mais saudável, pelo que não vamos massacrar e repetir. Todos sabemos que dormir bem, adotar uma alimentação saudável e praticar mais exercício físico são fatores que contribuem para diminuir de forma geral o stress físico e mental. Deixam-nos de bom humor e, por consequência, têm influência na saúde capilar.



Agora vamos aos fatores-chave que nem sempre são conhecidos ou reconhecidos:

1. Tenha em atenção os medicamentos que toma

Vários fármacos têm a queda de cabelo como efeito colateral, o que pode até piorar a situação quando estão relacionados com a exaustão. Para ter uma ideia mais clara, os betabloqueadores (usados para afinar o sangue ou controlar a pressão sanguínea) são os medicamentos que mais transtorno causam no cabelo. Mas não ficamos por aqui: anti-inflamatórios e medicação para problemas reumáticos podem deter estes efeitos adversos. Se está a tomar alguma medicação e suspeita de influência na perda de cabelo, a solução passa por ir ao médico e questionar se é possível diminuir a dosagem ou até mesmo trocar de medicamento.


2. Abdique dos procedimentos excessivos de beleza

É um dos maiores problemas relacionados com a saúde capilar. Secar, alisar, ondular, são ações que obrigam ao uso de fontes de calor que prejudicam os fios. Minimize o uso e evite-os sempre que possível. Tente não mexer, puxar ou torcer o cabelo. Também não deve pentear o cabelo em excesso. Tenha cuidado ao fazer penteados que exigem prender em demasia. Se pintar regularmente o cabelo, espere o máximo possível entre cada sessão e procure fazer tratamentos de nutrição e reparação nos intervalos.


3. Dê tempo ao tempo

Depois de algum evento traumático para o corpo, deixe que este recupere. Cirurgias, partos, acidentes ou mesmo outras doenças são situações que provocam alterações fisiológicas. É natural que o cabelo comece a cair, entre três e seis meses, depois de qualquer mudança física relevante. Não é possível reverter estes efeitos, mas há duas ações que pode fazer: dar tempo para que o corpo se recupere e…


4. … cuide do cabelo

É desta forma que o processo de combate à queda de cabelo reacional é mais rápido e mais favorável. Principalmente se usarmos produtos que contam com as últimas inovações e que se reinventam para responder com mais precisão às necessidades dos cabelos.

"Hoje em dia, a literatura científica aponta claramente para o facto de a inflamação ser um dos fatores que mais contribuem para a queda de cabelo reacional." É assim que a René Furterer começa por apresentar a mais recente inovação nos tratamentos antiqueda.

"Na queda de cabelo reacional, o stress temporário e reversível (stress emocional, cansaço, pós-parto, tratamentos médicos, etc.) estimula os neurónios que estão perto dos folículos capilares, levando à inflamação aguda, responsável pela queda de cabelo extrema. Assim, foi importante focarmo-nos nesta ação e identificar um ingrediente-chave que iniba a produção do fator inflamatório", explica a especialista Nathalie Castex-Rizzi, responsável de farmacologia na Pierre Fabre (grupo que detém a René Furterer).

Para combater os efeitos nocivos do stress celular no couro cabeludo, a marca francesa –pioneira no combate à queda de cabelo – desenvolveu um novo ingrediente-chave de origem 100% natural, o complexo mineral de lótus.



Complexo mineral de lótus, o ingrediente-chave antiqueda


Inibe até 60% a produção de uma das substâncias inflamatórias (TFN-ALPHA) que está envolvida na queda reacional.


Renovação na linha antiqueda

Com estas novas descobertas na matéria da queda de cabelo reacional, a René Furterer reformulou todos os produtos antiqueda – que passam a chamar-se Triphasic – e lança dois novos produtos: o bálsamo Triphasic e as ampolas Triphasic Reacional.

Todos os produtos da gama contam agora com o novo ingrediente, o complexo mineral de lótus. Outro dos componentes-chave desta linha de tratamento é a Pfaffia, com origem no Brasil e um dos quatro ingredientes que faz parte da cadeia de sustentabilidade da René Furterer, Fair for Life.




Conheça todas as soluções antiqueda da René Furterer e devolva a vida ao cabelo!


Nota importante!


No ritual antiqueda é sempre recomendado que se faça, em primeiro lugar, o óleo Complexe 5. Este óleo vai penetrar o couro cabeludo e preparar para os cuidados que se seguem, ajudando ainda a potenciar o efeito do tratamento, nomeadamente das ampolas (até 10 vezes mais eficácia).
Partilhar
Subscrever newsletter Receba diariamente no seu email as notícias que selecionamos para si!