C- Studio é a marca que representa a área de Conteúdos Patrocinados do Universo
É o local onde as marcas podem contar as suas histórias e experiências.

Sabe como organizar a sua casa para evitar o desperdício alimentar?

Não é só na hora de cozinhar que deve estar atenta. Uma casa mais funcional e mais organizada ajudam a que possa evitar o desperdício.

26 de outubro de 2020

Em muitas casas existe já a preocupação de evitar o desperdício alimentar, mas, muitas vezes, acaba por se focar apenas na forma como se cozinham os alimentos. É um excelente primeiro passo, mas há várias formas de prevenir o desperdício, antes e depois de preparar as refeições. Não só estará a contribuir para um mundo mais verde, como provavelmente acabará por poupar tempo, dinheiro e recursos.

Da despensa ao frigorífico, temos 13 formas de tornar a casa ambientalmente mais sustentável e de conseguir, em família, combater o desperdício alimentar.


1

Planeie as refeições antes de ir às compras. Junte a família à volta da mesa e façam um calendário com todas as refeições que cada elemento vai precisar na semana seguinte. Além do almoço e jantar, incluam também os lanches, pequenos almoços, snacks e, se for o caso, marmitas para a escola ou para ao trabalho. Uma das formas mais fáceis de definir as receitas da semana com a garantia de que não há desperdício é pegar no livro "Desperdício Zero à mesa com o Pingo Doce", com receitas para que cada alimento seja aproveitado ao máximo e com combinações de receitas que permitem maximizar os ingredientes.


2

Desconstrua cada receita. Mais do que definir o que vão comer, o objetivo é perceber o que é preciso comprar e aquilo que já têm na despensa. Façam uma lista exaustiva de cada ingrediente e tentem perceber em que receitas é que podem economizar. Por exemplo, se houver uma receita onde utilizem peixe no forno, poderão fazer um delicioso soufflé com as sobras, e duplicar as refeições úteis do peixe.


3

Faça uma revisão à despensa. Antes de irem às compras, é importante perceber aquilo que já há em casa, para não cair no erro de trazer produtos que já tem. Isto é especialmente importante em alimentos mais perecíveis, cuja data de validade é mais curta e que, se esquecidos, dificilmente poderão ser reaproveitados.


4

Coloque os alimentos mais perecíveis em local visível. É uma forma de perceber imediatamente o estado em que estão, o que está em falta e o que pode utilizar antes que se estrague.


5

Deixe tudo o que for possível à vista. Massas, arroz, açúcar, sal, cereais… Sempre que possível, reutilize os frascos de vidro que traz do supermercado e ponha estes alimentos onde possa vê-los. É uma forma de ter uma melhor noção das quantidades disponíveis e de os ter bem acondicionados, ocupando menos espaço e mantendo uma despensa visualmente mais limpa- logo, mais organizada. Pode, por exemplo, escrever as datas de validade no frasco, com a ajuda de um marcador.


6

Organize por data de validade. Alimentos com datas mais alargadas, como conservas ou azeite, são muitas vezes comprados em quantidade. Mesmo que os prazos sejam todos longínquos, mantenha a lógica de por as datas mais próximas à frente (Sistema PEPS-Primeiro a entrar, primeiro a sair), para não correr o risco de ficar esquecido no fundo da prateleira.




Sabe como distinguir os prazos de validade dos produtos?

Muitas vezes podemos não reparar nas diferenças, mas os prazos de validade dos produtos alimentares têm subtis diferenças que podem ser o decisor entre utilizar, ou não, determinado produto. Conheça-as:

"Consumir até" - esta é a data limite máxima para consumir o produto. Consumir depois desta data é perigoso para a saúde.
Onde? Carne, peixe, lacticínios, charcutaria, …

"Consumir de preferência antes de" - é uma data indicativa, que mostra o período mínimo em que o produto se mantem com todas as propriedades inalteradas. Se tiver cumprido com as condições de conservação e o produto não apresentar alterações ao nível do cheiro, aspeto, textura e sabor, pode ser consumido depois da data. Indicado com dia, mês e ano
Onde? Massa, arroz, azeite, cereais, …

"Consumir de preferência antes do fim de" - é utilizado em produtos com uma data de validade maior, e representa também uma data mínima. Mais uma vez, se se mantiver inalterado, poderá ser consumido depois da data indicativa, que apenas inclui mês e ano.
Onde? Congelados, conservas, ….





7

Organize o frigorífico e o congelador. As gavetas são ideais para a fruta e legumes, a porta para os produtos menos sensíveis às variações de temperatura - por ser a zona mais quente do eletrodoméstico. Nas prateleiras inferiores, mais frias, deve por os alimentos mais sensíveis, como carne ou peixe para descongelar; nas superiores, os lacticínios, os alimentos cozinhados, a charcutaria e as saladas.


8

Repense as refeições se tiver produtos abertos. Muitas embalagens trazem, além das datas de validade, um período no qual os alimentos devem ser consumidos depois de abertas. Tenha em consideração as embalagens já abertas e inclua-as nas refeições.


9

Conserve os alimentos em recipientes próprios. Se tiver produtos que não estão acondicionados individualmente, deve pô-los em recipientes onde se evite o contacto entre eles, para prevenir contaminações.


10

Faça uma limpeza periódica ao frigorífico. É importante fazer uma revisão aos prazos de validade, organizar por datas de validade, mas também limpar sujidade e remover o gelo que se pode acumular tanto no frigorífico como no congelador. O gelo, além de poder estragar os alimentos se em contacto direto, é também uma das causas para maior gasto de energia deste eletrodoméstico!


11

Nunca congele alimentos quentes! Vão aquecer o ambiente do congelador e poderão prejudicar outros alimentos, já congelados. Identifique a data em que congelou cada produto e ponha as datas mais curtas à frente.


12

Foque-se nos três R’s. Reduzir, reutilizar e reciclar devem ser um mantra bem decorado por toda a família e, se possível, por esta ordem. Primeiro, tentem reduzir os consumos e o desperdício; depois, tentem dar uma nova vida ao que utilizam, quer sejam alimentos ou utensílios - como os frascos; se nenhuma das opções anteriores for viável, optem por reciclar.


13

Os restos não precisam de ser lixo. Se não conseguir reaproveitar as sobras dos alimentos, apostar na compostagem é a forma mais amiga do ambiente para tratar os resíduos, dando-lhes vida no solo.



No livro "Desperdício Zero à mesa com o Pingo Doce" pode encontrar várias dicas de como conservar, arrumar, comprar e utilizar todos os produtos alimentares, bem como utensílios de cozinha de forma a minimizar o desperdício! Com receitas de A a Z, vai permitir-lhe aproveitar melhor os alimentos e poupar tempo e dinheiro na cozinha, com todo o sabor.

Conheça algumas dicas e iniciativas do Pingo Doce no combate ao desperdício alimentar: