Saiba Mais

C•Studio é a marca que representa a área de Conteúdos Patrocinados do universo Cofina.
Aqui as marcas podem contar as suas histórias e experiências.

Madeira: aqui o Natal é uma festa que dura um mês e meio

É o sítio, por excelência, onde o Natal vai passar o Natal. A “Festa” — tal como é conhecida a quadra na Madeira — começa no primeiro dia de dezembro e só termina a 15 de janeiro. Pelo meio, muita animação e celebrações renovam costumes e tradições.

22 de dezembro de 2021 Máxima

Para os aficionados da quadra natalícia, a Madeira só pode ser o local de eleição para desfrutar das tradições e estar entre amigos. Para os não aficionados também, visto que os motivos para visitar a ilha nesta época são de tirar o fôlego.

Porque a tradição ainda é o que era, na Madeira o Natal celebra-se ao longo de todo o mês de dezembro e a Festa é (literalmente) rija! Trata-se de uma celebração longa, repartida em vários momentos religiosos e culturais, que contempla tudo o que há de mais importante: a família, a música, a paisagem, as memórias e, claro, a (ótima) comida. E por falar em comida…




Exposição Mesas de Natal


O Natal não é Natal sem mesas recheadas com aquilo que a gastronomia tem de melhor para oferecer — e, na Madeira, os repastos elaborados com pompa e circunstância fazem jus à tradição. Na ilha, Natal também não é Natal sem uma mesa decorada à altura da época e adornada com afinco. A exposição Mesas de Natal, tradição natalícia organizada por parte da Bordal — fábrica de bordados da Madeira — faz prova disso mesmo.





Nesta montra, que já vai na sua sexta edição e pretende recriar a alma desta quadra tão singular, serão apresentadas oito mesas festivas inspiradas no que de especial este destino tem para ofertar. Por norma, é dado um tema para a sua composição aos decoradores/designers convidados que, ao longo das últimas edições, têm vindo a criar verdadeiras obras de arte em formato de mesas de Natal. Este ano, porém, não haverá tema obrigatório. Imbuídos e inspirados no espírito natalício madeirense, os artistas vão poder dar azo à imaginação para criar a mais bonita e original. No final, oito mesas para admirar prometem surpreender e fazer as delícias de todos os visitantes. O único senão? Não se pode sentar e por lá ficar durante horas a fio, a comer, a beber e a conviver.

Onde: Salão Nobre do Teatro Municipal Baltazar Dias
Quando: Entre os dias 15 de dezembro e 5 de janeiro de 2022




Outros momentos imperdíveis



  • A Festa começa no primeiro dia de dezembro com as coloridas iluminações nas ruas da Baixa do Funchal (e que assim se mantêm até ao dia 6 de janeiro) e termina com o Varrer dos Armários, celebrado a 15 de janeiro.
  • A não perder, o Mercadinho de Natal. Antigamente, a ida ao mercado tinha por objetivo ultimar as compras e os preparativos para o Natal. Vendiam-se frutos da época — tangerinas, peros, castanhas e nozes — mas também pinheiros, vasos com manhãs-de-páscoa e alguns brinquedos para as crianças. No meio da azáfama, havia comida e bebida nos bares ao redor do mercado e grupos de amigos que cantavam canções de Natal. A visita ao mercado incluía ainda uma ida ao Parque de Diversões, no antigo Campo Almirante Reis. Hoje a tradição mantém-se e na noite de 23 de dezembro revivem-se memórias e emoções felizes, que ganham força ano após ano. No Mercado dos Lavradores, a Praça do Peixe transforma-se numa enorme plateia de cantares natalícios que pode ver em direto na televisão nacional ou (maravilha das maravilhas!) assistir in loco.
  • As festividades na ilha também contam com as nove Missas do Parto (16 a 24 de dezembro) que representam os nove meses de gestação de Maria, simbolizando a devoção à Virgem do Parto, ou a Nossa Senhora do Ó. Celebradas ao romper da aurora (entre as cinco e as sete da manhã) prometem acordar o madrugador que há em si. No final das Missas, a animação faz-se sentir nos adros das igrejas, onde a população se reúne e oferece “comes e bebes” aos fiéis e visitantes.
  • No dia 24 de dezembro, depois da Missa do Galo, que celebra o nascimento de Jesus, o convívio continua no adro da igreja até ao nascer do sol. Partilham-se bolos de mel, licores, ponchas e broas, ou não fosse o auge da Festa. Antes de partir, não deixe de visitar a Lapinha (ou presépio).
  • As festividades culminam às doze badaladas do dia 31 de dezembro, com o sensacional fogo de artifício que pôs a Madeira no livro de recordes do Guinness como o maior espetáculo do mundo. Visto do mar ou em terra, será uma das melhores maneiras de abraçar o novo ano em grande!




Há sempre coisas a acontecer e não faltam bons motivos para querer passar toda a quadra natalícia na ilha da Madeira. Ative o seu “modo festa” e recarregue as baterias antes de ir — vai precisar delas para conseguir acompanhar o ritmo de uma agenda tão recheada de sugestões.

Se o cansaço acusar, sente-se à (sua) mesa de Natal e saboreie com vagar todas as iguarias da quadra, de comer e chorar por mais.

E viva A Festa!