Nutrição

Isabel Silva: 20 coisas que não sabia sobre a sua alimentação

A apresentadora acaba de lançar o seu segundo livro: A Comida que me faz brilhar.
Por Rita Silva Avelar, 01.03.2018
Depois do sucesso de um primeiro livro gastronómico, O Meu Plano do Bem, Isabel Silva aventurou-se numa segunda investida literária sobre a experiência na cozinha: A Comida que me faz brilhar. A propósito da publicação do livro, que tem receitas energéticas e nutritivas, aproveitámos para perguntar à apresentadora vinte coisas que talvez não saiba sobre a sua rotina alimentar, os truques na cozinha e as receitas preferidas. E sim, "roubámos" duas receitas do livro que pode consultar na galeria, acima: tarte de grão e couve-roxa e cheesecake de caju e lima.
 
Qual é a primeira coisa que come/bebe quando acorda?
 
São 500 ml de uma infusão que compro no The Cru: são 3 e vou alternando - um direcionado para o fígado e outro para reforço do sistema imunitário. Bebo enquanto passeio o Caju (o meu pug). Depois bebo um shot de Erva Trigo feito na minha Slow Juicer. Tomo em jejum para tirar ainda mais partido dos nutrientes desta erva. A Erva Trigo é um elixir mágico, a maior fonte de clorofila viva fundamental para o nosso sangue. Depois, passados 20 minutos, tomo o pequeno-almoço!
 
Quando aprendeu a cozinhar?
 
Eu não sou propriamente uma chef de cozinha. Aliás, nem é esse o meu objetivo, respeito muito a arte de um chef. Eu sou apenas uma amante da boa comida. E entendo por boa comida todos os alimentos de qualidade, simples, sem truques; as suas combinações e o seu sabor. Por essa razão dou primazia aos produtos livres de químicos. Sou uma curiosa por natureza, mas os ensinamentos dos meus pais foram fundamentais para a construção da minha personalidade. Lá em casa sempre fomos assim.
 
Quem é o/a maior guru da cozinha, para si?
 
Para mim, o maior guru são aqueles que olham para os alimentos de uma forma funcional, que promovem a saúde e que sabem que aquela combinação de alimentos dá sabor e nutre o teu corpo da melhor forma possível. Não vou falar em chefs de cozinha. Mas admiro muito a cozinha do restaurante The Cru, do Organic Café, o restaurante da Quinta do Arneiro e todos os pratos do KitchenDates e da CocconCooks.
 
Qual foi a coisa mais estranha que já provou?
 
Não sei. Nunca comi nada estranho.
 
O prato mais difícil e desafiante que já fez?
Não tenho também. Todos são rápidos e fáceis de confecionar. Se for muito difícil prefiro deixar nas mãos de quem tem tempo para se perder na cozinha. A minha comida é rápida de confecionar. O que não significa que não seja deliciosa. E isso é garantidamente. Prova disso é o meu primeiro e segundo livro. As pessoas vão perceber tudo isso ao longo deste segundo livro e principalmente na temática dos Yummies e das Lambarices!
 
O maior desastre na cozinha?
Odeio partir loiça... porque toda a que tenho é especial. Gosto de comer bem e conta muito o sítio onde colocas a tua refeição.
 
O máximo de pessoas para quem já cozinhou?
 
Hum... poucas. Não gosto de cozinhar para muita gente. Fico em stress. Porém, já cozinhei para 7/8 pessoas. Mas gosto de ajudantes na cozinha. Comer é partilhar e também conta a confeção.
 
A combinação mais estranha de ingredientes?
 
Para mim, não causa estranheza! Mas eu junto muitas vezes banana às minhas saladas. Além disso, há uma receita no livro que deixa tudo em alvoroço: a minha Bowl Fit tem batata-doce, canela, ovo e aveia. Tem tudo aquilo de que precisas para recuperares de um treino ou simplesmente para lanchares.
 
És alérgica a algum ingrediente? Qual ou quais?
 
Não. Como de tudo!
 
Sopa ou smoothie?
 
Sopa!
 
Programa de cozinha preferido?

Masterchef.
 
A melhor receita de sempre, para fazer em qualquer ocasião?
 
A aletria de tâmaras e bebida vegetal. Está no meu livro.
 
O snack perfeito para ‘ratar’?
 
Bolas proteicas do meu livro. São deliciosas e podes lanchar ou mesmo almoçar três delas com uma boa salada!
 
O ingrediente que faz toda a diferença, em qualquer receita?
 
Depende da refeição, mas se for pequeno-almoço, o meu Despertar tem sempre aveia e banana. Por essa razão o separador Despertar do meu livro tem banana na cabeça e aveia nos lábios. Tudo foi pensado ao pormenor.
 
E a sobremesa ideal?
 
Sanduíche de açaí do meu livro. É demais. 
 
Os cinco melhores truques ao cozinhar?
 
1. Menos é mais, por isso não tens de inventar muito. Os alimentos já são deliciosos quando nascem.
 
2. Usa óleo de coco para cozinhar. Azeite sempre cru só no final para tirares partido do sabor e nutrientes. 
 
3. Usa muitas especiarias. 
 
4. Salada: mistura sempre o cru e legumes escaldados.
 
5. Coze as leguminosas em alga kombu para não te criar desarranjo intestinal.
 
A parte preferida do livro?
 
Adoro a secção do Caju. Em homenagem ao meu pug, criei receitas à base de Caju, o meu fruto seco preferido. Tens várias opções, desde lanches, almoços e sobremesas.
 
A receita que escolheria fazer para alguém especial, retirada do livro?
 
Eu adoro o cheesecake de caju e lima ou o salame!
 
A parte mais divertida de todo o processo de criar o livro?
Claramente, os separadores do livro! Foi uma aventura e um brilhante trabalho de equipa, principalmente da minha querida Joana, do Hairfusion, e da maquilhadora Joana Moreira.
 
Um lema de vida na cozinha?
Acompanhar o brilho dos alimentos que estás a cozinhar. Comer bem para nutrir e energizar.
 
A Comida que me faz brilhar (Manuscrito) está à venda nas livrarias portuguesas por €18,50.
Partilhar
Ver comentários
Últimas notícias
Vídeos recomendados
Outras notícias Cofina
0 Comentários
Subscrever newsletter Receba diariamente no seu email as notícias que selecionamos para si!