Especiais

Os maiores escândalos da moda de 2017

De capas distorcidas com recurso a Photoshop a anúncios de televisão polémicos, a maus exemplos nas redes sociais, estas são as maiores alienações com realidade do ano.
Por Rita Silva Avelar, 22.12.2017
1. O anúncio da Pepsi com Kendall Jenner

O anúncio Live For Now Moments Anthem criado pela agência Creators League Studio para a Pepsi gerou uma polémica que acabou com a marca a retirá-lo do ar. O anúncio, que tem cerca de 3 minutos, mostra a modelo Kendall Jenner numa sessão fotográfica ao mesmo tempo que nas ruas decorre um protesto. Quando Kendall se junta à manifestação e oferece uma lata de Pepsi a um dos polícias (que aceita e bebe) é ainda mais nítida a distorção da realidade, mais ainda quando sabemos que o mundo vive uma realidade dura quanto às manifestações, e que muitas delas não são pacíficas nem "felizes", quanto mais descontraídas para beber uma Pepsi. A filha de Martin Luther King também se juntou às críticas publicando um tweet com o seu desagrado face à campanha

2. O cabelo de Lupita Nyong’o (ou a ausência dele)

A revista Grazia britânica cometeu um erro tremendo ao manipular o cabelo da atriz Lupita Nyong’o da capa da edição de novembro, através de uma alteração da imagem com Photoshop. A revista removeu e editou partes do cabelo da atriz para se enquadrar ‘melhor na capa’ como uma capa ‘mais eurocêntrica’. Vencedora de um Óscar, Lupita criticou a revista ao revelar as imagens originais nas suas páginas do Twitter e Instagram, o que levou a um pedido de desculpas por parte da publicação britânica. "Como já deixei claro no passado, abraço a minha herança natural e, apesar de ter crescido pensando numa pele clara e padrão, com cabelos sedosos como padrões de beleza, agora sei que a minha pele escura e excêntrica e os meus cabelos crespos também são lindos", escreveu Nyong’o no Twitter

3. A polémica capa da Vogue americana que fez falar Ashley Graham

Na capa da edição de março, a Vogue americana mostrava, na praia, um abraço entre as modelos Liu Wen, Ashley Graham, Kendall Jenner, Gigi Hadid, Imaan Hammam, Adwoa Aboah e Vittoria Ceretti. Aparentemente uma imagem feliz, não fosse evidenciada a magreza das modelos com recurso a Photoshop – comentou-se, na altura, que o braço de Gigi Hadid teria sido prolongado e que a distinta pose de Graham, a única modelo plus-size, que surgia com uma mão a tapar a perna e com uns calções pretos (os das restantes eram coloridos), teriam sido "produzidos" propositadamente. Ashley Graham reagiu à polémica partilhando uma fotografia no Instagram que era um remake da fotografia original, mas com ela incluída, e com todo o grupo a correr na direção oposta ao mar

4. O clip da Prada que custa €160 e a fita de Raf Simons que custa €170

Um simples clip para prender papéis esteve na origem da polémica que a Prada suscitou, ao pô-lo à venda por €160 (sem ser a inscrição do nome da marca, de resto seria um clip normal), bem como o que aconteceu a Raf Simons, que desfilou num modelo um cinto em rolo adesivo com as palavras Youth Project inscritas e depois colocou-o à venda por €170. Em ambos os casos a crítica foi o alto valor de ambos os objetos

5. As recusas em vestir Melania Trump

Não foi preciso chegar a 2017: no final do ano anterior já existia uma lista de criadores que se negavam a vestir a primeira-dama americana Melania Trump – Tom Ford, Sophie Theallet e Marc Jacobs são só os primeiros exemplos. No decorrer do ano, Melanie foi criteriosa na seleção do guarda-roupa, mas em agosto, quando surgiu com uns stilettos Manolo Blahnik de 10 cm numa visita a Houston, Texas, em pleno furação Harvey, foi amplamente criticada. Bem como o casaco floral da marca italiana Dolce & Gabbana por si usado, no valor de 46 mil euros

6. Fumar é cool? Estas celebridades acharam que sim, na MET Gala

Os bastidores de um evento como a gala da grande exposição de moda que decorre anualmente no Met Museum's Costume Institute de Nova Iorque suscitam sempre uma grande curiosidade. Paris Jackson, Kendall Jenner, Dakota Johnson e Ireland Baldwin foram apenas algumas das celebridades que partilharam insta stories do evento, na casa de banho. Tudo certo, até o centro das atenções desta ‘reunião’ ser o momento para ir fumar em conjunto. A mensagem não foi bem recebida nas redes sociais, e foram muitos os que apontaram que este gesto poderia ser uma má influência para a comunidade de fãs das respetivas personalidades

7. Os fatos de banho idênticos de Emily Ratajkowski e Lisa Marie Fernandez

Depois de uma semana a anunciar aos seus cerca de 15.6 milhões de seguidores no Instagram que iria lançar uma linha de swimwear, a modelo Emily Ratajkowski lançou uma coleção de seis fatos de banho de inspiração retro, à qual chamou Inamorata Swim. Um dia depois a designer americana (de swimwear e ready-to-wear) Lisa Marie Fernandez reagiu porque, na verdade, dois dos modelos desenhados pela modelo eram em muito idênticos aos de uma coleção que Fernandez havia lançado três anos antes. As semelhanças são indiscutivelmente notórias

8. Os jeans com zipper Levi’s x Vetements

Toda a controvérsia em torno deste modelo criado pela Levi’s e pela Vetements resume-se à existência de um zipper ao longo da parte de trás das calças, podendo este usar-se aberto ou fechado. A invenção, no mínimo irreverente e atrevida, dividiu opiniões na Internet

9. A apropriação cultural de Karlie Kloss

Fotografado no Parque Natural do Japão, o editorial Spirited Away da edição de março da Vogue americana inspirou-se na cultura japonesa e seria, supostamente, um elogio da mesma. As críticas dos leitores apontaram a escolha da modelo Karlie Kloss, que é caucasiana e que apareceu vestida de gueixa, desenquadrada desta mesma cultura. Mais tarde Kloss escreveu no Twitter: "Lamento muito por ter participado numa sessão fotográfica que não foi sensível à cultura do Japão.

10. Kendall Jenner, um ícone de uma década com 21 anos

As polémicas na moda do último ano afetaram claramente Kendall Jenner: este é apenas mais um exemplo. Com apenas 21 anos, a modelo foi eleita com o prémio Fashion Icon of the Decade (ícone de moda de uma década) e logo após esta distinção as redes sociais levantaram uma onda de críticas porque, contas feitas, há dez anos Kendall teria apenas 11 anos. Logo, e apesar da família Kardashian ser bastante célebre, Kendall ainda não teria nem envolvimento nem impacto na indústria da moda.
Partilhar
Ver comentários
Últimas notícias
Vídeos recomendados
0 Comentários
Subscrever newsletter Receba diariamente no seu email as notícias que selecionamos para si!