Viagens & Gourmet

Procura uma experiência inesquecível? Vá ao Talho da Esquina

Quem conhece a cozinha do chef Vítor Sobral sabe que há dois termos que não descolam da sua ementa: portugalidade e autenticidade. As iguarias do Talho da Esquina não escapam (felizmente) à regra.
Por Rita Silva Avelar, 18.10.2019

Depois da Tasca, da Peixaria, do Balcão e da Padaria, é a vez de conhecermos o Talho da Esquina, a cereja no topo do bolo na cozinha de um dos mais reconhecidos chefs portugueses dos nossos tempos. Entre outros prémios de carreira, falamos do chef que em 2006 foi agraciado pelo Presidente da República com o grau de Comendador da Ordem do Infante D. Henrique, pelo seu desempenho e defesa dos sabores nacionais. Fiel à sua mestria na cozinha, o chef Vitor Sobral aposta neste novo espaço com que privilegia a carne, escolhida por si a um pequeno e exclusivo fornecedor português.

Situado em São Bento, o novíssimo espaço do chef Vitor Sobral é um convite a desfrutar dos sabores da carne, a par de outras iguarias que quase lhe roubam o protagonismo. Com um espaço decorado com elegância e modernidade, sobressai uma peça exclusiva de Bordalo II - um grande painel adornado com formas de legumes e fruta, no registo urbano que caracteriza o artista português. Como bom conhecedor da gastronomia portuguesa, o chef não desilude ao escolher para entradas (ou petiscos) como moelas grelhadas com pimentão da horta e piri-piri (€8,50), focinho de porco grelhado com creme de coentros, cebola avinagrada e azeite de trufa (€13,50) ou tutano de bovino no forno com limão, tomate, pinhões, alecrim e salsa (€9,20).

Na carta de pratos principais, todas as atenções se viram para a carne e as suas particularidades. Surgem sugestões diferentes como bife do beijinho Black Angus nacional (€14) ou mão de cabrito e batata assada (€28) ou outras menos "arriscadas" como bife da vazia nacional à cortador (€19,50) ou costeleta de porco do Montado (€14,50). Se quiser uma experiência ainda mais especial, será uma boa opção provar uma das carnes maturadas. É o caso da costeleta de boi minhoto castrado (com 45 dias de maturação, €215 o kg) ou da costeleta arouquesa (com 60 dias de maturação, €110 o kg). Para acompanhar há saladas – verde, de tomate, de pimentos ou de legumes grelhados - as incontornáveis batatas fritas, além das diversas variantes de molhos (como o de mostarda com azeitonas verdes e damascos ou o molho agridoce com marmelo). Num local que à partida seria avesso a vegetarianos, o chef Vitor Sobral surpreende com uma paella da terra (€12,50) e uma lasanha de legumes (€14,50) como opções verdes. Chegando às sobremesas, o derradeiro final, o cardápio não desilude. Vale muito a pena pedir o pudim de mel e laranja (€6), o creme queimado de maracujá (€5,50) ou o bolo de queijo e frutos vermelhos (€6,50).

Onde? R. Correia Garção 15, Lisboa. Quando? Todos os dias das 12h30 às 15h30 e das 19h30 às 23h30, excepto segunda-feira que só abre ao jantar. Encerra ao domingo. Reservas 21 390 0997

Partilhar
Ver comentários
Últimas notícias
Vídeos recomendados
0 Comentários
Subscrever newsletter Receba diariamente no seu email as notícias que selecionamos para si!