Viagens & Gourmet

Bem-vindos à herdade dos Reynolds

Uma história familiar admirável, um sentido de negócio apurado e uma herdade arrebatadora fazem desta casa vinícola a aposta certa da próxima vez que pensar em fazer uma prova. Spoiler: o vinho é maravilhoso.
Por Rita Silva Avelar, 11.07.2019

Um fim de tarde de sábado cai ameno na pacata vila de Arronches, quando estamos prestes a colocar as coordenadas de GPS para a Herdade da Figueira Nova, onde vivem Julian Reynolds e a sua mulher, Isabel. Depois de alguns metros em estrada de terra batida, ao longo da qual se avistam vários sobreiros e carvalhos (pasto para o gado da herdade), interrogamo-nos sobre o paradeiro das vinhas, que afinal só são visíveis praticamente à chegada.

Somos recebidos com um amplo sorriso de boas vindas e um pedido: "dêem-me só um minuto, vou só calçar-me" que imediatamente quebra qualquer sensação de intrusão que pudesse existir à priori. Enquanto Julian desaparece pelas portas da bela fachada azul e branca de sua casa, rodeadas de flores, contemplamos o extraordinário cenário, onde o expoente máximo da beleza termina precisamente na linha do horizonte, onde os 41 hectares de vinhas verdes e viçosas surgem em torno de um pequeno monte. Empreendedor e criativo por natureza, Julian Reynolds comprou os 200 hectares que compõem esta herdade no alto Alentejo em 1996, a fim de resgatar uma tradição antiga. Com o fervor com que fala sobre os seus antepassados ninguém diria que tivesse feito outra coisa que não dedicar-se a este complexo negócio vinícola. Mas afinal, e mais à frente durante este passeio, conta-nos que estudou Belas-Artes e posteriormente tirou um curso de guionista no Royal College of Arts, em Londres, o que lhe valeu o seu primeiro emprego: assistente de direção na Colombia Pictures. Mas já lá vamos.

Enquanto caminhamos em direção às vinhas, ouvimos a história da herança vinícola que os antepassados de Julian inscreveram na história dos vinhos alentejanos. É, na verdade, preciso recuar até aos começos do século XIX – precisamente a 1820 - para conhecer a história da primeira geração desta família londrina, que chegou ao Norte de Portugal para investir na comercialização do vinho do Porto. Thomas Reynolds era um comerciante nato e um navegante visionário que trazia mercadorias da doca de Londres para a Península Ibérica, passando pelos portos Porto, Lisboa, Cádis e Sevilha. Este marinheiro teve dois filhos, Thomas e Robert, e a família começou a trabalhar na indústria corticeira em Espanha (em 1938), expandindo-se até Estremoz, onde acabou por se fixar.

Após grande parte dos Reynolds partirem para a Nova Zelândia, Robert fica à frente dos negócios e dedica-se à extensão das propriedades, produzindo vinho de uma qualidade assinalável. O filho de Robert, Robert Rafael, continua a tradição e por sua vez entrega-a ao filho Carlos, avô de Julian. É na geração da filha de Carlos, Gloria, que a família perde as propriedades no pós-25 de abril (a Herdade Dom João, em Sousel). Enquanto ouvimos atentos esta história, o anfitrião adiciona-lhe importantes detalhes. "O meu bisavô Robert Rafael e o irmão John introduziram em Portugal os vinhos "afrancesados", trouxeram as madeiras das barricas e engarrafaram o vinho. O primeiro vinho engarrafado chegou no final do século XIX, início do século XX. Como agricultores procuraram sempre ter uma uva cada vez melhor, e foram os responsáveis por trazer para Portugal a casta Alicante Bouschet." Segundo documentos históricos, é a esta família que se atribui a vinda da famosa (e cobiçada) casta para o território português. "Eu continuo a vocação da agricultura, pela boa uva, sem isso é impossível criar vinho de qualidade. Esta vinha não é apenas uma vinha, é também um jardim" explica, ao mesmo tempo que lhe lemos na voz a paixão e o orgulho que tem na sua história e a ambição do legado que quer deixar - e que entretanto já passou para o filho, Carlos. Essa ambição é também evidente nas três marcas que fundou: Gloria Reynolds, que leva o nome da sua mãe, Carlos Reynolds, com o nome do filho e Julian Reynolds, o seu vinho em nome próprio. Além dos 41 hectares de vinha que tem a herdade, os Reynolds detêm mais 12 hectares de vinha fora da mesma, sendo que as castas presentes em toda a área são Alicante Bouschet, Trincadeira, Aragonez, Alfrocheiro, Touriga Nacional, Antão Vaz e Arinto.

Seguimos para a adega, que Julian deixou praticamente intacta desde que a comprou aos antigos proprietários, equipando-a como um armazém de envelhecimento climatizado. É aqui que se encontram os balseiros e as meias-barricas da tanoaria francesa Seguin Moreau onde o vinho é feito. No mercado desde 2002, os vinhos Reynolds são produzidos respeitando a tradição francesa, sob a consultoria dos enólogos Nelson Martins e Ana Real, e são vinhos com uma excelente qualidade preço. Assim, a cultura de leveduras a partir da própria produção da herdade e a aposta no envelhecimento dos vinhos tintos são duas premissas obrigatórias, bem como as minuciosas práticas na apanha (ocorre de noite) e, logo, no processo de fermentação. Estas condições, o clima (que a sorte dita), o terroir onde se insere esta vinha, e a ousadia de Julian fazem destes vinhos de excelência, simultaneamente ricos e interessantes.

Alguém curioso, criativo e empreendedor como Julian, que passou por várias áreas – no Sudão, trabalhou sob o calor de 50 graus, uns anos antes de se dedicar à viticultura. Mas não só: quando lhe disparamos a pergunta – qual foi o seu primeiro trabalho? – recorda com alguma nostalgia e exaltação os tempos do Cinema, após concluir o curso de guionista em Londres. "Na altura, quem trabalhava na indústria dos filmes, e ainda por cima para uma multinacional como a Colombia Pictures, estava preparado para a vida. Se o filme era sobre romanos, tínhamos que saber a história de Roma. Eu gostava tanto daquilo que quando chegava ao domingo e tínhamos que parar ficava chateadíssimo. Esse foi o meu primeiro trabalho. Em Almería, Espanha, filmámos o The Spikes Gang (1974, com Lee Marvin). Uma vez fiz o Lee Marvin cantar a Wandering Star [do filme Os Maridos de Elizabeth, 1969]" conta, entre a prova do belíssimo e fresco rosé Carlos Reynolds e a do tinto Carlos Reynolds 2017. "Outro dos atores com quem trabalhei foi o Gene Hackman, tinha sempre um sorriso. Foi no filme March or Die [1977], Catherine Deneuve, Terence Hill, Max von Sydow (…) do Dick Richards. Também tenho aqui em casa um quadro que o ator Keith Michell pintou para mim."

A boa conversa prolonga-se para um jantar amistoso onde temos a oportunidade de provar alguns dos inéditos Reynolds, como o belíssimo Julian Reynolds Grande Reserva 2011, o memorável Gloria Reynolds Arts & Tradition 2009, ou o exclusivo Gloria Reynolds Cathedral 2004. Ao mesmo tempo, Julian e Isabel contam-nos as histórias dos inúmeros quadros que têm na sala de jantar, todos com a sua história. O serão termina em harmonia com a prova do licoroso Robert R. Reynolds (um vinho que mereceu 95 pontos Robert Parker*), um simples gesto que em muito diz da constante homenagem que esta geração presta aos seus antecessores. O vinho é, afinal, uma das mais encantadoras artes e, tal como em todas elas, o bom gosto é redondamente imprescindível.

Os vinhos Reynolds Growers estão à venda em garrafeiras selecionadas, e são distribuídos pela Heritage. As visitas à herdade para provas (preços sob consulta) podem ser agendadas em reynoldswinegrowers.com. Além das provas, a herdade também recebe festas privadas, casamentos ou baptizados.

*Robert Parker é um dos maiores críticos de vinhos do mundo, e tem uma cotação própria com sistema de atribuição de pontos.

Onde? Monte Figueira de Cima 7340, Arronches Reservas 245 580 305 ou wine@gloriareynolds.com

Tags: reynolds growers vinho enoturismo alentejo carlos reynolds julian reynolds grande reserva arronches royal college herdade da figueira nova julian arguelles reynolds espanha gloria reynolds arts thomas reynolds robert parker robert rafael
Partilhar
Ver comentários
Últimas notícias
Vídeos recomendados
0 Comentários
Subscrever newsletter Receba diariamente no seu email as notícias que selecionamos para si!