Decoração

Pode ter em casa uma cama criada pelo designer Tom Dixon

A nova coleção Delaktig foi criada em parceria com a Ikea e apresentada num pop-up hotel em Lisboa. Os lucros do primeiro dia de vendas vão reverter para o Centro de Apoio ao Sem Abrigo.
Por Aline Fernandez, 11.01.2019

O icónico designer britânico Tom Dixon é o responsável pelo mais recente projeto em cocriação com a Ikea. Delaktig foi apresentada esta sexta-feira, num pop-up hotel, no Lx Factory, em Lisboa, cidade escolhida para o evento global. Já neste sábado, dia 12 de janeiro, das 12h às 17h, no Armazém L, também no Lx Factory, o Ikea terá à venda a preços especiais todos os artigos da nova coleção, cujo valor das vendas reverte para o Centro de Apoio ao Sem Abrigo (CASA), a fim de contribuir com mais conforto e comodidade para os que não o têm no seu dia a dia.

Delaktig é a palavra sueca para "em conjunto". A nova cama chega às lojas Ikea de todo mundo em fevereiro. Disponível em tamanho queen (200 x 160 cm), trata-se de uma peça que pode ser personalizada de acordo com o estilo de vida de cada um, já que permite adicionar, remover e trocar os acessórios. A peça vem complementar a coleção, depois do sofá lançado o ano passado.

"Com distintas possibilidades de personalização, percebemos que Delaktig poderia ser uma cama fantástica. E que a plataforma base poderia ser também utilizada em espaços públicos, para além da casa. Queremos mostrar como a sensação de conforto de um quarto de hotel pode ser criada nas nossas casas. E que cada plataforma pode ser personalizada com as ideias de cada pessoa. Quando decidimos continuar a explorar esta gama, imaginámos as soluções em pequenos hotéis, escritórios, salas de espera", explicou James Futcher, responsável criativo do Ikea Suécia.

Em virtude do lançamento do novo projeto, sentámo-nos com James e o designer Tom Dixon para entender este processo de criatividade e inovação.

Como foi trabalhar com uma loja tão democrática e com tantos produtos como a Ikea e ainda assim trazer algo de novo?

Tom Dixon: É uma alegria poder fazer coisas que têm um apelo abrangente. Ás vezes, você fica num círculo luxuoso quando se produz em pequena escala ou numa materialidade insusbtancial. Então, às vezes, torna-se entediante endereçar-se para a mesma audiência, portanto é bom ter um público muito mais abrangente. Eu acho que muitas vezes espera-se que você está interessado apenas num tipo de design e eu não estou.

E o que é mais difícil ao levar em consideração num público-alvo tão abrangente?

Tom Dixon: A dificuldade é tentar fazer coisas incríveis num bom preço. É uma questão de desenvolvimento de projeto e tentar pensar em todas as limitações de custo de material. Em alguns casos é até mais fácil quando se tem uma escala de trabalho como a da Ikea, de distribuição, de pensar como as coisas chegarão ao destino final. É mais fácil ter uma grande empresa e trabalhar em termos com eles do que fazer sozinho. Para mim, foi libertador voltar a este nível de conhecimento novamente.

Foi feita uma pesquisa para os materiais utilizados nesta produção ou a Ikea já tinha ideia do que iria ser usado?

Tom Dixon: Ambos. Começamos com uma ideia diferente. A Ikea tinha uma área específica em mente. Mas em questões de pesquisa, a Ikea tem informações muito vastas e informação de qualidade sobre como as pessoas vivem e eles têm cientistas de materiais incríveis e muitas companhias desejosas de trabalhar para a maior fabricante de móveis do mundo. Mas o James pode explicar isto melhor...

James Futcher: Um dos pontos iniciais para todos os projetos da Ikea, como o Tom disse, é perceber como as pessoas vivem. E todo ano fazemos um relatório para entender como as pessoas vivem em casa. E vemos cada vez mais as pessoas a viverem numa casa fluida. Então o nosso princípio foi como fazer um produto personalizável para que o cliente satisfizesse os seus desejos. Em seis meses pode ser um sofá, por exemplo, mas então a sua vida muda, precisa um suporte para os braços, lâmpada... Damos a flexibilidade, porque sabemos que é assim que as pessoas vivem.

A Delaktig foi testada para utilização pública, para aumentar o seu potencial. Como isso funciona?

James Futcher: Durante o desenvolvimento, temos muito requerimentos para preencher todos os testes da Ikea e tornar um produto seguro. Então chegamos ao ponto de ver se os produtos passariam para uso profissional e o sofá, por exemplo, logo passou no teste do mercado europeu, e foi o primeiro da coleção que preencheu todos os requerimentos para uso profissional. Isto foi super interessante e animador para nós, abriu a oportunidade de usá-lo em espaços de trabalho.

De volta ao Tom, qual é o seu mobiliário favorito em casa?

Tom Dixon: Gosto da cozinha. Mas uma peça só? Isto não é justo! São suas crianças, como escolher o seu filho preferido? Não é justo... A noite posso preferir a cama, mas durante o dia posso dizer o carrinho de bebidas.

Já esteve em Portugal antes?

Tom Dixon: Claro que sim!

E o que mais gostou cá?

Tom Dixon: Aaaaah, dos pastéis de nata! Comemos uns maravilhosos hoje, por acaso. Mas eu gosto das pessoas, honestamente, acho que eles têm uma sensibilidade gentil, não todos [risos]. Mas a paisagem é linda, para alguém vindo de Londres. É ótimo ver que boas lojas e negócios independentes ainda existem, em Londres, parece tudo ser WHSmith [empresa britânica de varejo] ou Costa Coffee [cafeteria multinacional do Reino Unido] e tudo tornou-se demasiado sistematizado.

Partilhar
Ver comentários
Últimas notícias
0 Comentários
Subscrever newsletter Receba diariamente no seu email as notícias que selecionamos para si!