Culturas

O regresso de FKA Twigs

Cantora, dançarina, produtora, compositora e videomaker, FKA Twigs – nome artístico de Tahliah Barnett – é apontada pela crítica como uma das vozes da música britânica mais reveladoras e enigmáticas do momento.
Por Rita Silva Avelar, 14.11.2019

Filha de pais bailarinos e com ascendência jamaicana do lado paterno, e espanhola e inglesa do lado materno, Fka Twigs (Cheltenham, Gloucestershire, Inglaterra, 1988), de 31 anos, estudou na escola católica St. Edward, na sua terra natal. Antes de se revelar a solo, foi bailarina de palco de cantoras como Jessie J ou Kylie Minogue. O seu primeiro disco, LP1, lançado em 2014, valeu-lhe as nomeações para os prémios Brit Award, Mercury Prize e a indicação para um Grammy (Best Recording Package). Entre outras críticas enaltecedoras nesse ano, o The Guardian definiu-a como sendo a "criadora imaginativa de um [estilo que junta] R&B minimal, trip-hop improvisado e ritmos experimentais". As qualidades na representação, uma vez que os seus videoclips são sempre originais e minuciosamente idealizados pela própria, também se espelham no cinema. A 8 de novembro poderemos vê-la no grande ecrã numa breve participação no filme Honey Boy, do ator e realizador Shia LaBeouf (com quem manteve um breve relacionamento amoroso). Agora e após anos de especulação acerca de um novo projeto – brevemente interrompida pela revelação do EP M3LL155X, em 2015 –, Fka Twigs apresenta o seu segundo álbum, Magdalene.
Gravado e produzido pela artista é o seu trabalho mais pessoal até à data, sendo o reflexo de meses difíceis, emocional e fisicamente, uma vez que, além do final do relacionamento com o ator Robert Pattinson, teve de recuperar de uma intervenção cirúrgica. "Justamente quando eu achei que estava frágil e prestes a desmoronar, houve uma força absoluta no meu trabalho que nunca antes existiu" pode ler-se na Pitchfork. O disco Magdalene "é sobre todos os amores que tive e todos aqueles que irei ter", acrescenta à mesma publicação digital. Os singles Cellophane e Holy Terrain, já revelados, são um bom presságio do que esperar deste novo álbum que propõe uma sonoridade tudo menos expectável. Citando o The New York Times, FKA Twigs é uma artista com "autocontrolo na sua voz, carregada de uma intenção sedutora e rigorosa, elevada e serena, que tanto se excede como se detém muito." É precisamente essa mestria capaz de balançar uma sonoridade autêntica que a torna especial. Lançamento a 25 de outubro.

Ainda em novembro:

Festa sonora

Há três momentos musicais imperdíveis em novembro. No Misty Fest, festival que percorre as salas do país durante esse mês, Teresa Salgueiro encanta, a 4 e 5, e o duo Maria de Medeiros e The Legendary Tigerman, a 14, 16, 23 e 30 (programa em misty-fest.com) Um extra? O concerto da maestrina Joana Carneiro que revisita Gustav Mahler com a Orquestra Sinfónica a 3, no Centro Cultural de Belém.

Para sempre, Leonard

Adam Cohen, filho do emblemático compositor e artista Leonard Cohen, produz e publica o primeiro álbum póstumo do pai, Thanks for the Dance. O projeto conta com a participação de artistas como Damien Rice e Leslie Feist (vozes), Richard Reed Parry, baixista dos Arcade Fire ou Bryce Dessner, o guitarrista dos The National. Lançamento a 22 de novembro.

Tags: fka twigs música magdalene disco novo álbum tahliah barnett
Partilhar
Ver comentários
Últimas notícias
Vídeos recomendados
0 Comentários
Subscrever newsletter Receba diariamente no seu email as notícias que selecionamos para si!