Culturas

Novo livro da Assouline viaja por 150 anos da botica mais tradicional do Brasil

Fundada por um português em 1870, clientes ilustres como o Imperador Dom Pedro II frequentavam a farmácia, que se tornou a fornecedora oficial da corte brasileira.
Por Aline Fernandez, 25.03.2020

Reconhecida em todo mundo por criar livros que são verdadeiras objetos de design, a editora de luxo Assouline publicou ao longo dos seus trinta anos de história mais de 1500 títulos, alguns dedicados a marcas tão significativas como a Chanel ou a Dior. O novo lançamento em terras lusitanas conta a história da Granado, a marca de cosméticos fundada em 1870 no Brasil pelo português José António Coxito Granado.

A relação entre os dois países é contada ao detalhe pelo jornalista carioca Hermés Galvão, que traça a cronologia da origem da marca e como o seu desenvolvimento se cruza com o da cidade do Rio de Janeiro. A Granado foi pioneira na manipulação de extratos vegetais de plantas, ervas e flores para a fabricação de cosméticos e medicamentos no Brasil, a primeira a fabricar sabonete com glicerina 100% natural e também a primeira empresa de beleza a suspender testes em animais no Brasil, em 2006.

Nos primeiros anos de funcionamento, a ‘pharmácia’ manipulava produtos com botânicos cultivados na quinta do seu fundador, e também importava produtos da Europa, adaptando as suas fórmulas às necessidades dos brasileiros. A sua eficácia logo chamou a atenção da Coroa brasileira e a marca tornou-se um dos fornecedores oficiais da corte. Em 1880, Dom Pedro II conferiu à Granado o título de Farmácia Oficial da Família Imperial Brasileira.

Anos mais tarde, em 1903, João Bernardo Granado, irmão do fundador, criou o polvilho antissético, um pó de talco desodorizante para os pés, o produto mais antigo usado desde a família real da época a Pelé. Mesmo 117 anos depois, a sua fórmula – que teve registo aprovado pelo médico, cientista e especialista em saúde pública brasileiro Oswaldo Cruz – permanece inalterada.

A carregar o vídeo ...
Conhece a história da Granado?

Ao longo dos anos, a qualidade dos produtos de origem vegetal de eficácia comprovada manteve-se e, além dos produtos-chave, brilham linhas exclusivas, como a Vintage, Barbearia e Pink. "A família deixou um acervo enorme com toda a história da empresa, com embalagens, revistas, cartas… E a gente decidiu preservar tudo isso", contou à Máxima o britânico Christopher Freeman, que comprou a marca em 1994 e assumiu o comando de uma empresa centenária. Transformou-a numa das maiores companhias de beleza e higiene pessoal do Brasil, incluindo uma nova linha bebé e pet, com uma faturação de cerca de €105 milhões e expetativa de crescer mais 15% este ano. "Pouco a pouco esses documentos viraram inspiração para alguns produtos que vendemos hoje", completou o empresário que esteve em Lisboa. E nada como a aproximação de uma data especial para o lançamento deste livro. "Poucas empresas no mundo chegam aos 150 anos", reforça orgulhoso o diretor-presidente.

Mantendo o histórico familiar da empresa, a filha de Christopher, Sissi Freeman, atual diretora de marketing e vendas, juntou-se ao pai e ajudou-o a pensar nos projetos para celebrar a data. Decidiram por fim partilhar com todos e mostrar esse acervo num livro. A ideia já existia, mas aumentou quando Sissi estava em Paris e encontrou Alexandre, o filho de Prosper Assouline, cofundador da editora. "Antes disso o jornalista Bruno Astuto, que escreveu o prefácio [do livro Granado], disse-me: ‘Vocês deviam fazer um livro com eles!’", detalhou Sissi, que estava a caminho da Cidade Luz. Depois desse encontro, Christopher foi a Nova Iorque encontrar-se com Martine Assouline, a mulher de Prosper e a cofundadora da editora, e ela interessou-se. "Foi engraçado porque ela chamou uma assistente e perguntou se ela conhecia a Granado. ‘Claro que conheço! Estive no Rio na semana passada e trouxe de volta vários produtos para mim e para a minha família’", contou Freeman lembrando-se do momento.

Foi um processo de um ano até se chegar à publicação do livro de 221 páginas. "A gente queria mostrar o Rio, mas sem o olhar do estrangeiro deles, sem colocar muita praia e Copacabana. É um Rio mais com olhar carioca, ficou um equilíbrio bem bacana", confessa Sissi. A obra foi publicada em outubro no Rio de Janeiro e chegou este mês a Portugal. O livro Granado está disponível em português e em inglês no site da Assouline e, em Lisboa, na Livraria da Travessa e na Casa Pau-Brasil, no Príncipe Real. Além do livro, a Granado criou com os Correios do Brasil um selo comemorativo e uma exposição que conta os seus 150 anos de história no Museu Histórico Nacional do Rio de Janeiro.

Em 2016, a espanhola Puig – responsável pelas marcas de beleza da Carolina Herrera, Jean Paul Gaultier, Paco Rabanne e Christian Louboutin, para nomear alguns – comprou uma parte minoritária (35%) da Granado. No ano seguinte foi feita a inauguração da primeira loja conceito da marca no exterior, no número 21 da rue Bonaparte, em Paris – agora já são três lojas na capital francesa. Em Portugal, a Granado está presente na Casa Pau-Brasil de Lisboa e de Cascais. Pela Europa, a marca sempre esteve presente com lojas pop-up nas cidades de Atenas, Barcelona, Bolonha, Lausanne, Londres, Madri e Viena, mas está disponível online por todo o continente. No Brasil, a marca conta com 78 lojas próprias.

Além da Granado, a Perfumaria Phebo

A história da Phebo começou em 1930, quando os primos portugueses Antonio e Mario Santiago fundaram a perfumaria em Belém, no coração da Amazónia. Naquele mesmo ano desenvolveram o primeiro produto da marca, o sabonete Odor de Rosas. Foi uma inovação para a época (e em alguns lugares ainda é), porque o habitual era o sabão de coco, de cor branca e formato retangular. Contudo o sabonete da Phebo era oval, transparente e escuro, sua fragrância combinava essência de pau-rosa a mais de uma centena de outros ingredientes, como sândalo, cravo da Índia e canela de Madagascar. A ousadia viria a se tornar uma assinatura da marca, com produtos com alta concentração de fragrância. Em 2004, a Perfumaria Phebo foi adquirida pelo Grupo Granado e, até hoje, o sabonete Odor de Rosas é o produto-chave. A linha de produtos ampliou-se e inclui sabonetes, desodorizantes, hidratantes, colónias, perfumes, velas perfumadas e difusores de ambiente, que também pode encontrar em Lisboa na Casa Pau-Brasil ou através do site da marca na Europa.

Tags: livro assouline granado 150 anos brasil phebo beleza cosmético christopher freeman casa pau-brasil puig
Partilhar
Ver comentários
Últimas notícias
Vídeos recomendados
0 Comentários
Subscrever newsletter Receba diariamente no seu email as notícias que selecionamos para si!