Mundo

Entrevista Cláudia Caldeirinha: "se eu disser a 200 pessoas para pensarem na palavra líder quase 100% vão pensar no homem”

Conversámos com uma das mulheres portuguesas que está a mudar de forma prática a desigualdade de género, da Europa para o mundo.
Por Rita Silva Avelar, 31.10.2017
Chamar-lhe de ativista é como reduzi-la a uma parcela do mundo. Cláudia Caldeirinha é investigadora, professora, feminista, política e uma mulher de olhos postos no passado, no presente e no futuro. Nasceu em Timor Leste e desde pequena que a consciência da mudança atravessa toda a sua vida – e a vontade de a implementar em tudo o que faz, também. Ao longo dos 47 minutos de entrevista (eram 15, inicialmente) confessou-nos que no dia em que ouviu Emma Watson dizer "if not you, who? If not now, when?", num discurso como embaixadora das Nações Unidas, decidiu que a responsabilidade de escrever Women Leading The Way In Brussels – o livro que acaba de publicar sobre as histórias das mulheres que estão a mudar o mundo, cada uma à sua maneira, a partir do Parlamento Europeu, em Bruxelas – era sua. Escrito em conjunto com Corinna Hörst (diretora, em Bruxelas, do The German Marshall Fund of the United Statese ela própria uma líder e ativista), reúne retratos e histórias de 14 mulheres, da esfera política à social, com exemplos práticos de como o poder no feminino pode ser posto em prática em situações laborais, sempre numa linguagem em paralelo com a igualdade de género.

Começou a fazer voluntariado muito nova – já tinha uma pequena ativista dentro de si?
Nasci em Timor Leste e isso marcou-me para sempre. O facto de ter voltado [para Portugal] muito pequena e de ter visto e convivido com as comunidades timorenses de refugiados que vinham com histórias de torturas horríveis, todas elas com imenso sofrimento, mas ao mesmo tempo resiliência, sentido de honra e dignidade, marcou claramente a minha necessidade de fazer alguma coisa pelo mundo e foi numa altura da nossa História em que víamos imagens horríveis dos fogos em África na televisão, na hora do telejornal, à hora de jantar (algo muito típico em Portugal). Percebi cedo que existia algo de muito errado no mundo e aos 16 anos já estava a fazer abaixo-assinados sobre os direitos humanos.

É hoje ativista e investigadora dos Direitos da Mulheres. Porque decidiu dedicar-se em especial a este tema?
Eu tive muitos pontos de viragem. Na verdade, o ativismo veio de muitos lados e veio misturado na minha história, por isso hoje acabo por ter muitos ‘chapéus profissionais’. Neste momento, sou empreendedora, tenho uma empresa que faz consultoria a instituições europeias, às Nações Unidas e a algumas empresas grandes. Antes dirigia várias organizações, uma era a Club de Madrid, uma associação composta por presidentes e primeiros-ministros, numa altura em que me apaixonei pelas questões de liderança e percebi que para mudar o mundo não basta trabalhar com as bases (são fundamentais, mas é importante trabalhar também com as lideranças). Para mim, ser-se ativista não representa andar na rua a fazer manifestações, mas sim tentar ter valores de dignidade, direitos humanos e ética em tudo o que faço, seja como empreendedora, como investigadora, como autora, como professora universitária – é ter esse tipo de coerência.

Quando se apercebeu da desigualdade de género e dos seus efeitos? Em que situação foi?
As minhas primeiras memórias são todas ligadas ao drama de Timor. Era miúda, tinha uns seis anos e a minha mãe, juntamente com as outras mulheres adultas que falavam com as mulheres timorenses, conversavam sobre histórias horríveis, enquanto nos punham a nós, crianças, noutras salas a comer doces e a fazer atividades. No entanto, conseguíamos sentir a tensão e, pouco a pouco, comecei a tentar ouvir as conversas, e eram todas sobre como estas mulheres tinham sido ou violadas ou torturadas, como os seus maridos tinham sido mortos ou torturados à frente delas, ou sobre filhos que tinham sido massacrados – tanto mulheres como homens contavam estas histórias. A diferença, para mim, foi que enquanto nos homens, sim, havia tortura e morte, nas mulheres existiam doses adicionais de drama que tinham a ver com o seu próprio corpo. Eram esterilizadas em massa para que os indonésios pudessem ocupar o território e violadas como parte da política de ocupação para gerar uma nova geração de mestiços que fossem a favor da ocupação indonésia. O corpo da mulher, sexualmente, fisicamente, na sua integridade, estava na primeira linha da ocupação política. A partir daí, comecei a compreender o que tudo isto queria dizer.

Quem são as referências que a inspiram para fazer o que faz, todos os dias?
Há duas frases da Maya Angelou que tenho escritas na porta da minha casa. "I would like to be known as an intelligent woman, a courageous woman, a loving woman, a woman who teaches by being" e "Success is liking yourself, liking what you do and liking how you do it". Mesmo ao lado da Maya, tenho uma frase do Gandhi que diz: "Happiness is when what you think what you say and what you do are in harmony." Há muitas mais inspirações, como a Mary Robinson, com quem trabalhei, e agora as 14 mulheres do meu livro.

Women Leading The Way In Brussels revela as histórias das mulheres que mais contribuíram para a União Europeia. Como surgiu esta ideia?
A ideia nasceu há muitos anos, para mim foi um processo que levou mais de dez anos a germinar e saiu da minha própria necessidade. Quando cheguei a Bruxelas, há 15 anos (estava a fazer um doutoramento em Florença e ia fazer uma fase do estágio na Comissão Europeia), percebi que todo o poder do mundo está em Bruxelas, é como Washington ou Genebra. Por um lado, é extremamente óbvio e complexo, e começando a olhar à volta vemos que todas as pessoas que tomam decisões são homens. Começas a pensar: eu sou mulher, sou jovem, what’s the way out? Como é que eu mudo o que eu quero mudar neste contexto? Durante vários anos esperei que alguém escrevesse este livro, falei dele a jornalistas, ninguém queria escrever. Depois a certa altura apareceu esta jovem Emma Watson que na campanha HeForShedas Nações Unidas disse "if not you, who? If not now, when?" e nessa altura eu pensei: "Ok, eu não vou receber lições de uma miúda!" Convidei a Corinna Horst, que é a minha coautora, e começámos a reunir pessoas com quem lidamos e trabalhamos no nosso quotidiano e cujas histórias podem ser extremamente inspiradoras para outras mulheres, (…) que dão conselhos, ideias e recomendações para quem toma decisões nas próprias empresas e instituições, para fazerem as mudanças que têm que ser feitas, não só a nível individual como sistémico e institucional.

Como foi feita a seleção das mulheres que participaram no livro?
Primeiro tentámos representar a diversidade de Bruxelas – as instituições europeias, a NATO, grupos de interesses organizados, os media, as fundações, as ONGs, o mundo do sector privado. A partir daí, fizemos listas e selecionámos as que achávamos que estavam a ter um papel de role models.

Também coordena o Programa Executivo para Mulheres Líderes. Porque é que as pessoas ainda continuam a desconfiar de mulheres assertivas, sobretudo em contextos laborais?
Nós vivemos durante milénios numa sociedade patriarcal, somos ainda parte dos pioneiros. Não somos as sufragistas que andaram a partir vidros para terem direito a votar na Inglaterra ou nos Estados Unidos, mas ainda fazemos parte das gerações que vieram depois e foram pioneiras em modificar uma mentalidade velha, de milénios, em que pensar em líder é pensar num homem. Se eu disser a um público de 200 pessoas à minha frente "pensem na palavra líder" provavelmente quase 100% vão pensar no homem e no homem branco. Isto é formatação, são estereótipos de género, é o unconscious bias, que todos nós temos, porque o nosso cérebro ainda funciona desta maneira. Para podermos processar de forma rápida os milhões de informações que recebemos todos os dias e a cada momento, o nosso cérebro tem de ter atalhos. E esses atalhos são feitos por generalizações que nos são dadas e que reproduzimos, consciente ou inconscientemente, desde sempre. Vêm dos nossos pais, da escola, da sociedade, dos livros que lemos. Ainda hoje, se virmos nos desenhos animados, ainda temos a mulher que limpa os pratos e o homem que é o presidente ou o chefe. Continuamos ainda a reproduzir estes modelos – todos nós. O cérebro humano pode ser modificado, estas coisas podem ser mudadas. Felizmente há alguns sistemas que permitem eliminar, pouco a pouco, esta discriminação. Por exemplo, há alguns anos uma orquestra filarmónica de Nova Iorque tinha uma enorme maioria de músicos homens brancos até que decidiu-se fazer uma experiência. Quando faziam as audições metiam uma cortina e não podiam ver o candidato, só podiam ouvir. O júri era composto por boas pessoas, estavam todos convencidos que não tinham nenhum bias, a partir do momento em que começaram a instalar cortinas e só se concentravam na música. O aumento de mulheres e pessoas de diferentes etnias aumentou 70%.

Se pudesse mudar apenas uma coisa no mundo, o que seria?
Criaria em todos os sectores – político, social, económico – diversidade e diversidade não são só de homens e mulheres mas também de etnias, religiões, grupos. Ter representatividade ao nível das lideranças. Depois, de uma maneira mais holística, gostava que existisse consciência coletiva de que estamos a começar a entrar na quarta revolução industrial, a maior de sempre, com a inteligência artificial, com as mudanças climáticas, com o aumento demográfico, com a redução de recursos básicos como a água, a alimentação, etc. Estamos a entrar numa fase da nossa história humana em que estamos em risco. Precisamos, cada um de nós, de ser responsáveis para tentar mudar e liderar na nossa pequena ou grande esfera de influência (…) e sermos atores para uma consciencialização e mudança positivas que nos permita sobreviver. Para que daqui a 200 anos não sejamos uma espécie em vias de extinção.

Women Leading the Way in Brussels só chega a Portugal em 2018, mas pode adquiri-lo já aqui.
Tags: cláudia caldeirinha parlamento europeu mary robinson timor leste emma watson comissão europeia women leading th way in brussels igualdade de género livro mulheres liderança feminismo
Partilhar
Ver comentários
Últimas notícias
Vídeos recomendados
0 Comentários
Subscrever newsletter Receba diariamente no seu email as notícias que selecionamos para si!