Realeza

As casas da realeza que podemos visitar

O Palácio de Buckinghm já está aberto ao público. A tradição repete-se todos os anos durante algumas semanas quando a rainha Isabel II deixa Londres para as suas férias de verão. Mas sabia que esta não é a única residência real da Europa que o público pode visitar?
Por Carolina Carvalho, 16.08.2019

Palácio de Buckingham, Londres

Durante 10 semanas de verão repete-se a tradição: o Palácio de Buckingham abre ao público as Salas de Estado (State Rooms). Enquanto a rainha Isabell II está de férias, a sua residência oficial em Londres recebe os curiosos que queiram ver por dentro um dos palácios mais famosos do mundo. Entre os espaços em destaque, estão o White Drawing Room, uma sala de receção onde a rainha e membros da família real se reúnem antes de eventos oficiais. Na Sala do Trono podem ser vistas as Cadeiras de Estado usadas na cerimónia de coroação da rainha Isabel II e do duque de Edimburgo em 1953. Há ainda o Salão de Baile, onde se organizam os banquetes oferecidos pela rainha no palácio e a Grande Escadaria. A visita termina no jardim, onde a rainha é anfitriã de algumas festas.

A exposição temporária deste verão 2019 chama-se Queen Victoria Palace e é dedicada à célebre rainha inglesa, no ano em que se celebram 200 anos do seu nascimento. A rainha Victoria ascendeu ao trono a 20 de Junho de 1837, com 18 anos, e mudou-se para Buckingham três semanas depois. Foi ela que transformou o palácio no seu local de trabalho e em residência real oficial. Ali viveu com o príncipe Alberto e os seus nove filhos e iniciou tradições que ainda hoje se mantêm como a aparição da família real na varanda do palácio em certas ocasiões e as festas no jardim. Esta mostra a história dessa transformação deste edifício em símbolo da nação. Dois dos destaques da exposição são o vestido usado pela rainha no Baile Stuart e a recriação do baile Crimean, de 1856.

O palácio abre às 9:30 e encerra às 19:30 (de 20 de julho a 31 de agosto) e às 18:30 (de 1 de setembro a 29 de setembro). A visita demora cerca de 2 horas a 2h30min. O bilhete de adulto custa £25 (aproximadamente €27) e inclui visita às State Rooms, à exposição temporária e um guia multimédia em diferentes línguas.

Palácio de Buckingham

Onde? Londres

Quando? De 20 de julho a 29 de setembro

Sala do Trono, Palais Princier, Mónaco.
© Gaetan LUCI / Palais princier
Palais Princier, Mónaco.
© Gaetan LUCI / Palais princier
Palais Princier, Mónaco.
© Gaetan LUCI / Palais princier
O príncipe Alberto na exposição Mónaco, 6 de maio de 1955. História de um encontro. Palais Princier, Mónaco.
© Axel BASTELLO / Palais princier
A exposição Mónaco, 6 de maio de 1955. História de um encontro. Palais Princier, Mónaco.
© Axel BASTELLO / Palais princier
Vestido de Grace Kelly na exposição Mónaco, 6 de maio de 1955. História de um encontro. Palais Princier, Mónaco.
© Gaetan LUCI / Palais princier
A exposição Mónaco, 6 de maio de 1955. História de um encontro. Palais Princier, Mónaco.
© Gaetan LUCI / Palais princier
A exposição Mónaco, 6 de maio de 1955. História de um encontro. Palais Princier, Mónaco.
© Axel BASTELLO / Palais princier
A exposição Mónaco, 6 de maio de 1955. História de um encontro. Palais Princier, Mónaco.
© Axel BASTELLO / Palais princier
A exposição Mónaco, 6 de maio de 1955. História de um encontro. Palais Princier, Mónaco.
© Axel BASTELLO / Palais princier
A exposição Mónaco, 6 de maio de 1955. História de um encontro. Palais Princier, Mónaco.
© Axel BASTELLO / Palais princier
Sala do Trono, Palais Princier, Mónaco.
Palais Princier, Mónaco.
Palais Princier, Mónaco.
O príncipe Alberto na exposição Mónaco, 6 de maio de 1955. História de um encontro. Palais Princier, Mónaco.
A exposição Mónaco, 6 de maio de 1955. História de um encontro. Palais Princier, Mónaco.
Vestido de Grace Kelly na exposição Mónaco, 6 de maio de 1955. História de um encontro. Palais Princier, Mónaco.
A exposição Mónaco, 6 de maio de 1955. História de um encontro. Palais Princier, Mónaco.
A exposição Mónaco, 6 de maio de 1955. História de um encontro. Palais Princier, Mónaco.
A exposição Mónaco, 6 de maio de 1955. História de um encontro. Palais Princier, Mónaco.
A exposição Mónaco, 6 de maio de 1955. História de um encontro. Palais Princier, Mónaco.
A exposição Mónaco, 6 de maio de 1955. História de um encontro. Palais Princier, Mónaco.
Sala do Trono, Palais Princier, Mónaco.
As casas da realeza que podemos visitar: Mónaco

Palácio do Príncipe, Monte Carlo

As primeiras construções do palácio que hoje existe remontam ao ano 1215. No século XVIII este já era um dos palácios mais luxuosos ao estilo de Luis XIV (Rei Sol francês que reinou entre 1643 e 1715) e durante a Revolução Francesa foi transformado num hospital para as tropas italianas. Hoje ,  Palácio do Príncipe é a residência do príncipe reinante do Mónaco, Alberto II, e durante parte do ano abre ao público as Salas de Estado (em 2019, até 15 de outubro). Quem visitar o palácio no alto do rochedo do principado pode ver a escadaria do século XIII (que foi o cenário do casamento religioso do príncipe Alberto com Charlene Wittstock), salas adornadas por frescos do século XVI com temas mitológicos, a capela de 1665 dedicada a S. João Batista, a Galeria de Espelhos (um imitação do Salão dos Espelhos do palácio de Versailles), onde são recebidos os membros da realeza e chefes de estado que visitam o palácio. E ainda a Sala Amarela, onde o gabinete de protocolo recebe os convidados do palácio, a Sala Azul (que deve o seu nome à seda brocada azul que cobre as paredes), onde estão os retratos dos Grimaldi e lustres venezianos, a Sala do Trono, onde aconteceram inúmeras cerimónias memoráveis do palácio e a última sala da visita, o Hall de Estado, que leva aos apartamentos privados da família real.

Este ano, a visita ao palácio inclui a exposição Mónaco, 6 de maio de 1955. História de um encontro, que conta a história do primeiro encontro entre o príncipe Rainier III e Grace Kelly e marca o 90º aniversário do nascimento da atriz e princesa. Decorria o ano de 1955, quando em março Grace Kelly ganhou o Óscar de Melhor Atriz pelo filme Country Girl e em maio foi convidada do Festival de Cinema de Cannes. Entre uma apertada agenda arranjou espaço para conhecer o príncipe Rainier na tarde de 6 de maio. Este encontro foi organizado pelo jornalista Pierre Galante, do Paris Match, e ficou registado em imagens pelos fotógrafos Michel Simon, da mesma publicação, e Edward Quinn (um irlandês que estava a trabalhar há muito tempo na Riviera). A exposição, que tem lugar nas Salas de Estado do palácio de 14 de maio a 15 de outubro, pretende ser uma viagem fotográfica pelas salas do palácio e conta com as referidas fotografias do encontro, o vestido que a atriz usou naquele dia, assim como cartas, recortes de jornais e objetos pessoais. O encontro, que na altura passou quase despercebido na imprensa, viria a ser o início de uma das histórias de amor do século XX, uma vez que menos de um ano depois (nos dias 18 e 19 de abril de 1956) o príncipe Rainier III e Grace Kelly casaram-se no principado e a atriz americana tornou-se Sua Alteza Sereníssima, a princesa Grace do Mónaco.

O palácio pode ser visitado até 15 de outubro de 2019. De 1 de julho a 31 de agosto, das 10:00 às 19:00, e de 1 de setembro a 15 de outubro, 10:00 às 18:00. O preço de entrada é de €8 por adulto, mas há variáveis (ver site).

Palácio do Príncipe

Onde? Mónaco

Quando? Até 15 de outubro

O Palácio Real, em Estocolmo.
© Kungl. Hovstaterna
O Palácio Real, em Estocolmo.
© Kungl. Hovstaterna
A Galeria Karl XI, no Palácio Real, em Estocolmo.
© Kungl. Hovstaterna
A Galeria Karl XI, no Palácio Real, em Estocolmo.
© Kungl. Hovstaterna
A Capela Real, no Palácio Real, em Estocolmo.
© Kungl. Hovstaterna
Museu Gustav III de Antiguidades, no Palácio Real, em Estocolmo.
© Kungl. Hovstaterna
O escritório de Oskar II, no Palácio Real, em Estocolmo.
© Kungl. Hovstaterna
O Palácio Real, em Estocolmo.
© Kungl. Hovstaterna
O Palácio Real, em Estocolmo.
O Palácio Real, em Estocolmo.
A Galeria Karl XI, no Palácio Real, em Estocolmo.
A Galeria Karl XI, no Palácio Real, em Estocolmo.
A Capela Real, no Palácio Real, em Estocolmo.
Museu Gustav III de Antiguidades, no Palácio Real, em Estocolmo.
O escritório de Oskar II, no Palácio Real, em Estocolmo.
O Palácio Real, em Estocolmo.
O Palácio Real, em Estocolmo.
As casas da realeza que podemos visitar: Suécia

Palácio Real de Estocolmo, Suécia

Tradicionalmente, durante o verão, os 10 palácios reais suecos abrem ao público, assim como os respetivos museus, parques, capelas, lojas e cafés, contudo o Palácio Real de Estocolmo (Suécia) está aberto todo o ano. Este é um dos elementos que o torna um palácio especial na Europa, combinado com o facto de ser, simultaneamente, residência real, local de trabalho e monumento histórico. O Palácio Real de Estocolmo é a residência oficial do rei e o local das receções oficiais da monarquia. Além dos Apartamentos Reais este palácio tem três museus: Treasury, com a regalia (símbolos de poder da realeza), o Museu Tre Kronor, que mostra a história medieval dos palácios, e o Museu Gustav III de Antiguidades. A obra do arquiteto Nicodemus Tessin, tem a estrutura de um palácio romano, mas em estilo barroco, está aberto ao público todo o ano e, durante os meses de verão, está também aberta a Capela Real, a Igreja Riddarholmen, um dos pontos altos desta visita. Outro importante destaque é a Galeria Karl XI, inspirada na Galeria dos Espelhos, do Palácio de Versailles (na verdade, muitos dos artesãos envolvidos na criação desta sala já tinham trabalhado em Versailles), mas em menores dimensões.

Em agosto o Palácio Real está aberto das 9:00 às 17:00, nos restantes meses as horas sofrem alterações. E a disponibilidade das salas incluídas na visita está sujeita à sua utilização por membros da família real.

Palácio Real de Estocolmo

Onde? Estocolmo, Suécia

Quando? Todo o ano com horários a confirmar no site.

Palácio de Christiansborg, Dinamarca.
© Mikkel Groenlund
Palácio de Christiansborg, Dinamarca.
© Thorkild Jensen
Palácio de Christiansborg, Dinamarca.
© Mikkel Groenlund
Palácio de Christiansborg, Dinamarca.
© Thorkild Jensen
Palácio de Christiansborg, Dinamarca.
© Roberto Fortuna
Palácio de Christiansborg, Dinamarca.
© Thorkild Jensen
Palácio de Christiansborg, Dinamarca.
© Thorkild Jensen
Palácio de Christiansborg, Dinamarca.
© Mikkel Groenlund
Palácio de Christiansborg, Dinamarca.
© Finn Christoffersen
Palácio de Christiansborg, Dinamarca.
© Thomas Rahbek, SLKE
Palácio de Christiansborg, Dinamarca.
© Mikkel Groenlund
Palácio de Christiansborg, Dinamarca.
Palácio de Christiansborg, Dinamarca.
Palácio de Christiansborg, Dinamarca.
Palácio de Christiansborg, Dinamarca.
Palácio de Christiansborg, Dinamarca.
Palácio de Christiansborg, Dinamarca.
Palácio de Christiansborg, Dinamarca.
Palácio de Christiansborg, Dinamarca.
Palácio de Christiansborg, Dinamarca.
Palácio de Christiansborg, Dinamarca.
Palácio de Christiansborg, Dinamarca.
Palácio de Christiansborg, Dinamarca.
Palácio de Christiansborg, Dinamarca.
Palácio de Christiansborg, Dinamarca.
Palácio de Christiansborg, Dinamarca.
Palácio de Christiansborg, Dinamarca.
As casas da realeza que podemos visitar: Dinamarca

Palácio Christiansborg, Copenhaga (Dinamarca)

Localizado em Copenhaga e com 800 anos de história como centro de poder da Dinamarca – embora nem a rainha nem nenhum membro da família real vivam neste palácio, é de Christiansborg que reis e rainhas têm comandado o país. É a morada de trabalho da rainha, do parlamento dinamarquês e do primeiro ministro e é também onde a rainha Margarida recebe chefes e estado estrangeiros, recebe pessoas em audiência, assina novas leis e organiza jantares de gala e banquetes. O palácio de Christiansborg sofreu um grande incêndio em 1884 e, depois de uma reconstrução, ficou concluído em 1928. Hoje, tem cinco atrações para visitar: as Royal Reception Rooms, os estábulos reais, a cozinha real, a capela do palácio e as ruínas sob o palácio. Durante a visita é possível ver a Sala do Trono, onde a rainha recebe chefes de estado quando há eventos de gala no palácio e é da varanda desta sala que são proclamados os novos reis da Dinamarca. A Sala de Veludo, com as paredes forradas a veludo, claro está, foi decorada tendo o quarto do rei Luis XIV no palácio de Versailles como inspiração e hoje o lugar onde a família real recebe e cumprimenta os convidados dos banquetes reais que acontecem neste palácio. O Grande Salão, é o coração e a maior sala do palácio, passa de salão de baile a cenário dos jantares de gala. A decoração deste espaço inclui 17 coloridas tapeçarias, que contam a história da Dinamarca desde a era Viking até ao ano 2000, e foram um presente de aniversário para a rainha Margarida pelos seus 60 anos, em 2000. A cozinha real foi restaurada e reabriu ao público em 2016. Agora está equipada como estava na altura do rei Christian X (1870 – 1947) e mostra os preparativos para o jantar de gala que celebrou o Jubileu de Prata deste rei em 1937, o maior realizado em 90 anos, com um total de 275 convidados. E ainda a biblioteca da rainha.

O Palácio de Christiansborg está aberto todo o ano, mas os dias e horários podem ser alterados consoante a necessidade de utilização do palácio. Por exemplo as Salas Reais de Receção estão abertas entre abril e outubro das 9:00 às 17:00, entre novembro e março das 10:00 às 17:00 e encerra às segundas-feiras. As outras áreas do palácio que podem ser visitadas têm horários semelhantes. Quanto aos bilhetes, podem ser comprados em separado para visitar as diferentes atrações. O bilhete combinado para visitar tudo tem um valor de 160 coroas dinamarquesas (aproximadamente €21) por adulto.

Palácio Christiansborg

Onde? Copenhaga, Dinamarca

Quando? Todo o ano com horários a confirmar no site

Palácio Real de Bruxelas. (© Koninklijk Paleis/Palais Royal/Königlicher Palast/Royal Palace. Fotografia: Karin Borghouts).


Palácio Real de Bruxelas

Em 1965 nasceu a tradição de abrir o Palácio Real de Bruxelas (Bélgica) ao público, o que acontece anualmente durante o verão, num período que tem início perto do feriado nacional (21 de julho) e termina em setembro. Este palácio, no centro de Bruxelas, é a residência administrativa e principal local de trabalho do rei dos belgas, Philippe, e da rainha Mathilde. É a morada dos gabinetes dos reis, de diversas actividades relacionadas com a família real (como reuniões de trabalho, receções, concertos, almoços) e é também o palácio onde são recebidos representantes políticos e convidados internacionais, como chefes de estado. A abertura ao público permite visitar as principais salas do palácio e também uma série de exposições, este ano sob o tema Science and Culture in the Palace (Ciência e Cultura no Palácio), em colaboração com várias instituições nacionais e há ainda a exposição Sovereignty Clothed: Uniformes Reais.

O palácio e a exposição estão abertos de 23 de julho a 25 de agosto, das 10:30 às 17:00, excepto às segundas-feiras. A entrada é gratuita.

Palácio Real de Bruxelas

Onde? Bruxelas

Quando? De 23 de julho a 25 de agosto

 

Partilhar
Ver comentários
Últimas notícias
Vídeos recomendados
0 Comentários
Subscrever newsletter Receba diariamente no seu email as notícias que selecionamos para si!