Especiais

Onde param as celebridades que moram ou visitam Portugal?

Portugal está no centro das atenções do mundo, como se viu pela recente atribuição de vários World Travel Awards. Provavelmente estaremos a exagerar, mas o certo é que celebridades como Madonna, Monica Belluci, Christian Louboutin e Alicia Vikander fizeram da nossa casa a sua casa. Conversámos, deliberadamente ou por acaso, com quem se cruzou com algumas delas.
Por Rita Silva Avelar, 06.12.2018

São 15 horas de um sábado quente de junho, hora típica dos fins de almoço a Sul, e o sítio é O Tobias, um restaurante que serve um bom "arroz de marisco à portuguesa", junto à praia da pequena aldeia do Carvalhal, na costa alentejana. Eu estou sentada com os meus pais e com o meu irmão e quase não há ninguém naquele espaço que já servira quase todas as refeições. Dotado de uma boa disposição que não se abala nem perante uma fila de clientes exasperados à porta, em dias de casa cheia, o senhor Tobias, como calorosamente é chamado, gosta de boas histórias. Nós também. "Sabe, há dias esteve cá um senhor muito bem-vestido que pediu, entre outras coisas, uma lagosta. E veja bem que nesse dia eu só tinha uma lagosta pequena! E deu-se aqui uma situação engraçada. O senhor vinha com o namorado e com um grupo de amigos e [o namorado] deu em ‘garrear’ com o homem porque achou que ele comeu muito. Verdade seja dita: ele só não comeu as paredes porque não pôde!" Mais do que as várias gargalhadas que se seguiram com o relato sincero deste episódio, eu não escondi a curiosidade aguçada que me é inata. "E quem era ele, senhor Tobias?" Suspense. "Olhe, menina, era o senhor Louboutin, disse-me, uns dias depois, um empresário que aqui costuma vir.

O conhecido designer de calçado com sola vermelha, Christian Louboutin, já morou na Comporta, da qual se fartou (como confessou numa entrevista ao Expresso), e tem hoje uma casa próxima do local, em Melides (além da residência, em Lisboa, no Largo dos Lóios, num palacete que pertencia à família Formosinho Sanches). Apesar de eu ser suspeita, como portuguesa e como alentejana que sou, não há como julgar Louboutin e tantas outras celebridades que têm mudado a sua residência para Portugal. Sol, comida deliciosa, História e cultura em cada rua de cada aldeia, vila ou cidade, praias magníficas de extenso areal e água morna (sim, sabemos que é relativo), parques naturais que são verdadeiras telas nativas e aldeias encantadoras de tão remotas (a aldeia de xisto que é Piódão fez capa da revista Condé Nast Traveler). Não há como não amar este destino, meio mediterrânico, meio atlântico, "à beira-mar plantado". Particularmente as cidades de Lisboa (eleita Melhor Cidade Destino da Europa pelos World Travel Awards) e do Porto (que no ano passado foi, pela terceira vez, galardoada como Melhor Destino Europeu pela European Best Destinations) estão na moda.

Mas o fenómeno não é de agora: recordem-se as sucessivas festas que receberam personalidades do Cinema, do Desporto ou da Moda entre os anos 60 e 80, dadas por figuras da alta sociedade portuguesa. Algumas das celebridades acabaram por adquirir casa em Portugal, como foi o caso da diva Gloria Swanson, que foi proprietária de uma casa junto à Praia Grande, em Sintra, e, diz-se, caminhava feliz pelas arribas da Praia das Maçãs. Ou de Bryan Adams que viveu numa moradia conhecida como a Casa dos Três Choupos em Cascais, entre 1967 e 1970, e estudou no Colégio Americano St. Columban’s. Uma visita habitual desde os anos 90, altura em que vinha a Lisboa (segundo a revista Sábado) ouvir as alternativas batidas electrónicas que passavam na discoteca Kremlin, o criador francês Jean Paul Gaultier é um dos amantes confessos da capital portuguesa, onde veio buscar algumas das suas musas, como Julia Schonberg, ícone português dessa década, no que ao estilo diz respeito.

Antes, nos anos 80, Claude Montana também frequentava as carismáticas festas da noite lisboeta. Envolto em secretismo está também a morada da casa que o designer Tom Ford alegadamente adquiriu a Sul do país, na afamada Comporta. Ainda na liga dos designers, não esquecemos a azáfama na imprensa nacional causada por Valentino e Giancarlo Giammetti (seu namorado e co-fundador da Valentino) na cobertura da festa que deram no Palácio dos Marqueses da Fronteira, aquando da celebração do 80.º aniversário de Giammetti. Para o baile, que aconteceu em fevereiro passado, vieram celebridades como Olivia Palermo, Johannes Huebl, Natália Vodianova, Bianca Brandolini ou Naty Abascal, que ficaram alojadas no Pestana Palace.

Mas falemos do presente. Quando vem a Portugal, David Beckham faz a barba e corta o cabelo na barbearia Figaro, na Rua do Alecrim, em Lisboa. John Malkovich é visita regular de Portugal há anos, especialmente desde que se tornou sócio honorário do restaurante Bica do Sapato. A modelo e actriz Marisa Berenson gosta de visitar Portugal, tal como fez Hubert de Givenchy que visitava, no Estoril, a grande amiga Duquesa Claudine de Cadaval. A modelo francesa e it girl Inès de la Fressange tem como um dos seus destinos preferidos a Comporta, lugar que apesar das pragas de mosquitos não afasta o jet set internacional que o tem visitado e no qual se incluiu Charlotte Casiraghi. O ex-jogador de futebol e hoje actor pontual Eric Cantona adora o espírito bairrista da zona onde vive, entre o Rato e Campo de Ourique, na capital (já o encontrámos, aliás, a jantar com amigos na pizzaria Zero Zero). A cantora Lisa Ekdahl adora as praias da zona do Baleal. Garrett McNamara, o americano que surfou a maior onda do mundo, na Nazaré, passa temporadas no nosso país de férias com a família (até chamou Nazaré à sua última filha) e dá aulas de surf ocasionais em Peniche.

Quando, há cinco anos, convenceu a condessa de Monte Real a alugar-lhe a sua casa, no topo da Avenida D. Carlos I, em Cascais, o designer francês Philippe Starck nunca mais deixou de viver nessa vila idílica. Ainda que só de passagem, a modelo Gigi Hadid provou algumas iguarias da cozinha portuguesa no restaurante Abadia, no Porto, e posou em sítios como a Casa da Música, o Mercado do Bolhão ou a Ribeira, onde foi fotografada por Mario Testino para a edição de Dezembro de 2015 da Vogue americana. A modelo israelita Bar Refaeli partilhou fotografias na sua conta de Instagram com a ponte 25 de Abril como fundo, em Lisboa, no Verão que passou. Diz-se que a actriz Scarlett Johansson, com prestações em filmes como O Amor É um Lugar Estranho (2002) ou  Her (2013), acaba de adquirir uma moradia no Príncipe Real, em Lisboa. Recentemente, Penélope Cruz e Javier Bardem passaram férias no resort de luxo Vila Vita Parc, em Armação de Pêra, no Algarve. Ficaram enamorados de Portugal? Provavelmente.

Hoje ou no passado, na periferia ou no centro, no interior ou no litoral, o que é que procuram conhecer no nosso país as personalidades internacionais? E o que as deslumbra? Criado por Xana Nunes e por Rosa Mello do Rego, em 2017, o serviço XN Concierge (da empresa XN Experiences) não só responde a estas perguntas, como oferece as ditas experiências locais ou de luxo a quem tem a bolsa recheada. Carolina Norton de Matos, account manager na XN Experiences, explica: "Os clientes mais exigentes gostam da simplicidade cuidada que lhes proporcionamos e que os torna ‘invisíveis’ na descoberta dos nossos talentos. A gastronomia em locais tradicionais, as tascas tipicamente portuguesas, os nossos produtos de arte rural, as igrejas, os jardins, os azulejos… Mas também lhes damos a conhecer locais que habitualmente não estão abertos ao público e dos quais a XN tem a chave. Conhecer artistas e visitar as suas galerias, descobrir este museu a céu aberto que é Lisboa com tanta arte urbana é também cada vez mais comum entre os pedidos. Nunca fizemos duas experiências iguais."

Quando lhe pergunto qual o pedido mais extravagante, não hesita. "Nós já tivemos um pedido para reservar um castelo para 20 pessoas que tivesse decoração moderna, em cima da areia com praia privada." Depois, há o espólio artístico de que Lisboa é cada vez mais berço e que atrai pela diferença e autenticidade. Armando Ribeiro, fundador da agência O Apartamento e responsável pela comunicação de hotéis de luxo, desenha roteiros de arte para clientes internacionais e gere, várias vezes, as reservas em restaurantes e em hotéis (o Cave 23, o Martinhal ou o Penha Longa Resort são alguns exemplos) para quem procura privacidade e discrição combinadas com luxo e originalidade. "Muitas dessas pessoas que já compraram casa ou que querem fazê-lo pretendem ter uma casa bonita, especial, e com [peças de] artistas portugueses (…) e percebem que em Portugal há um grande know-how de conhecimento handcraft. E que há talento na arte contemporânea que trouxe uma grande força e vitalidade à cidade [de Lisboa] e uma projecção internacional que nós não tínhamos", conta-me, no seu escritório no Príncipe Real.

Monica Bellucci é uma destas residentes populares que fazem títulos de capa na imprensa nacional. Há meses, uma amiga contava-me, entusiasmada, o encontro inesperado com a actriz em Belém, no restaurante Café In, que tem esplanada virada para o Tejo. "Eu vi-a lá numa noite, descontraída, sorridente. É tão bonita quanto parece nos filmes", mas com alguma impaciência, pois não conseguiu falar com Bellucci. Não há como negar que a gastronomia portuguesa é apreciada por todo o mundo. Vive em Lisboa, junto ao Castelo de São Jorge, há dois anos, e também come as tradicionais bifanas e sardinhas assadas ao balcão de uma tasca da Rua da Atalaia (pelo menos, fê-lo para uma das fotografias captadas por Myro Wulff para a edição de Julho deste ano da Elle francesa). A actriz italiana, que é uma das musas preferidas do mundo do cinema nas últimas décadas, escolheu o antigo palacete dos Condes de Vimieiro, no Largo do Contador-Mor, em Lisboa, para sua morada.

Os seus vizinhos Alicia Vikander e Michael Fassbender também se mudaram para "Portucale". A ex-assistente de bordo Weza Silva recorda-se do momento em que, durante um jantar de amigas no restaurante JNCQUOI, em Lisboa, se deu conta que estava a jantar a escassos metros de Alicia. O insólito da situação adensa-se, conta, quando minutos antes uma das suas amigas dizia: "Tenho a certeza de que reconheço aquele rosto. Deve ser actriz numa novela. Ou alguém da apresentação." Bastou Weza girar na cadeira para que os seus olhos batessem na actriz sueca que jantava, discretamente, com uma amiga. Não contém uma boa gargalhada ao recordar o momento em que a abordou, mais tarde e já no piso de baixo daquele restaurante de luxo, a apreciar um copo de vinho. "Eu disse-lhe: ‘Olá, eu sou a Weza!’ E ela respondeu: ‘Olá, eu sou a Alicia!’" A simplicidade não só se evidenciava nesse humilde cumprimento, mas, conta-nos, na escolha do look. Alicia vestia uns jeans pretos e uma camisola preta. Vencedora do Óscar para Melhor Actriz Secundária pela interpretação em A Rapariga Dinamarquesa, aquela actriz sueca mudou-se para Lisboa, no ano passado, com o marido, o actor alemão Michael Fassbender. Sabe-se que escolheram Alfama para morar, já que adquiriram um apartamento no Palácio Santa Helena. O edifício, que data dos finais do século XVI, foi durante quatro séculos a residência familiar dos Condes de São Martinho, detentores de altos cargos na corte real portuguesa.

Na minha busca deliberada por estes episódios, encontro-me com vários portugueses que privaram com personas como Madonna. São seis e meia da tarde em ponto de uma quinta-feira e bato o pé de forma compassada, impaciente por uma bela história, à porta da pastelaria Versailles Belém. Estou à espera do saxofonista Ricardo Toscano que aparece no minuto seguinte. Tudo começou quando, em Setembro do ano passado, circulou na Internet um vídeo que mostra um serão numa casa com as janelas bem abertas, em Alfama, com figuras a contraluz (Nayma Mingas, entre elas) e a voz de Madonna a cantar Like a Virgin, seguida de Sôdade, a famosa morna de Cesária Évora, cantada por Dino D’Santiago, e, entre outros músicos a acompanhar, Ricardo Toscano, no saxofone alto. Ricardo, que fundou o grupo de jazz Ricardo Toscano Quarteto, recorda-se bem desse momento, até por ter sido o dia seguinte (7 de Setembro) ao seu aniversário. "Depois de tocar Sôdade, sentei-me a descansar. E alguém me pergunta: ‘Então, porque é que estás tão cansado?’ Quando eu percebo que era a Madonna e explico-lhe que tinha estado a celebrar o meu aniversário, no dia anterior, ela riu-se." Viriam a cruzar-se noutras festas. "A Madonna é uma pessoa normalíssima. Numa outra festa, eu levei o meu quarteto de jazz e o Dino levou a banda dele. Tocámos jazz puro e duro durante vinte minutos. A Madonna gostou muito. Sempre que falámos foi incrível! Ela é uma pessoa muito inteligente. Trocámos várias mensagens e acabámos por tornar-nos amigos."

É evidente que Madonna adora o nosso país. Vemos fotografias suas, em família, na própria conta de Instagram, onde a provocadora cantora pop regista momentos a subir as escadarias da zona histórica de Lisboa ou a andar de cavalo, na Comporta, (acompanhados de repetidos emojis da bandeira portuguesa e vários corações) ou em capas de publicações como a Vogue Itália (surge nas ruas lisboetas e numa herdade, na Arrábida, na edição de Agosto dessa publicação, ao lado de rostos portugueses como Ruben Rua, Gonçalo Teixeira ou Dino D’Santiago). Madonna reside, actualmente, no número 92 da Rua das Janelas Verdes, no Palácio Ramalhete (espaço que se diz ter disputado com o cantor Phil Collins). Antes disso, esteve vários meses hospedada no Pestana Palace Lisboa, em Alcântara. "Cheguei a ir lá almoçar com ela e com ‘a comitiva’ dela", conta-nos Ricardo, "e, noutra vez, jantámos depois de ela ter ido ver um concerto meu, em duo com o João Paulo [Esteves da Silva], no CCB". Mayra Andrade também já privou com a rainha da pop. "Noutra vez, a Madonna foi ao Braço de Prata ver um concerto, ao lado de Mayra Andrade e de Nayma Mingas." A modelo Nayma, que se tornou amiga de Madonna, recorda-se bem desse concerto. "Jantámos em casa de um amigo comum e foi um jantar muito privado, e a Madonna publicou fotografias no Instagram por decisão dela, porque nós não o fizemos. A comida era excelente e a música também."

Sobre privar com a estrela da pop, Nayma explica que sempre gostou "de música, de dança e do mundo das artes, e por isso é sempre incrível conhecer tais pessoas, mas não é por isso que elas deixam de ser pessoas normais, iguais a nós, só que com um nível de reconhecimento incomparável à maior parte de nós. Quando a Madonna entrou no Braço de Prata as pessoas ficaram chocadas, claro. O que acontece é que, em Lisboa, as pessoas respeitam-na muito, tal como respeitam o Louboutin ou qualquer outra celebridade. Eles não poderiam ter este estilo de vida em Nova Iorque ou em Londres". Armando Ribeiro concorda: "Em Portugal não há paparazzi, não andam atrás destas pessoas com máquinas fotográficas e agrada-lhes saber que Portugal é um país discreto." Além do jazz, Madonna cedo se apaixonou pelas casas de fado portuguesas. Numa ocasião, na casa de fados Mesa de Linhares, partilhou um momento com a fadista Celeste Rodrigues, em que juntas cantaram Can’t Help Falling in Love, de Elvis Presley. As duas tornaram-se amigas e Madonna deixou uma homenagem a Celeste, quando esta faleceu no passado dia 1 de Agosto, ao partilhar uma fotografia cúmplice de ambas, de lábios pintados de vermelho. "Essas pessoas apaixonam-se pelo estilo de vida dos portugueses, pela cultura lisboeta, pelas pessoas e pelos artistas", afirma Nayma.

O certo é que, em Abril deste ano, o jornal The New York Times publicou o artigo 36 Hours in Lisbon, no qual, depois de visitar a capital, a jornalista Ingrid K. Williams descreveu maravilhas desta cidade, referindo (além das novidades recentes como o Le Consulat ou a Embaixada) que a Taberna da Rua das Flores tem "a atmosfera de uma taberna portuguesa antiga". Se pensarmos bem nessa frase tão simples percebemos que a magia portuguesa ? seja de uma tasca em Lisboa ou de um restaurante típico no Alentejo ? está na génese desta nossa cultura de bons vivants que se resume, em última instância, a um bom convívio de almas com música ou só com conversa, numa mesa posta com petiscos. Não poderá ser essa uma boa definição de felicidade? E a felicidade, célebres sejamos ou não, nascidos portugueses ou não, é o que todos desejamos encontrar.

Partilhar
Ver comentários
Últimas notícias
Vídeos recomendados
2 Comentários
bina maria Ok, já todos sabemos que temos um País cobiçado pelos estrangeiros, muito sol, boa comida.....pois é fácil gostar deste País á beira mar plantado, com a carteira recheada que eles têm!
Venham eles viverem com os ordenados que os portugueses têm, sem tempo para saber se está sol ou chuva, sem dinheiro para pagar a renda de um T1 nessa linda Lisboa, corriam a emigrar como tantos portugueses fazem.....
Vamos ver o que o governo português vai fazer quanto ao arrendamento de casas para portugueses viverem.

Há 1 dia
Anónimo Ou seja os que nos ROUBARAM HABITAÇÃO, debaixo da PONTE NÃO ESTÃO PORQUE AS PONTES JÁ ESTÃO OCUPADAS PELOS POBRES DOS PORTUGUESES QUE NEM GANHAM PARA PAGAR RENDA.
Há 3 dias
Subscrever newsletter Receba diariamente no seu email as notícias que selecionamos para si!