Saúde

O stress e a ansiedade afetam a pele?

A dermatologista Vera Monteiro Torres explica a influência destes fatores na saúde do maior órgão do corpo humano.
Por Joana Maia Rodrigues, 20.06.2018

No Relatório do Programa Nacional para a Saúde Mental 2017 regista-se um aumento considerável da percentagem de portugueses que sofrem de perturbações de ansiedade, assim como o aumento das prescrições de ansiolíticos, sedativos e hipnóticos. Mas o stress e a ansiedade também se manifestam em sinais exteriores. E se pensa que tais sinais se reduzem ao aparecimento de uma borbulha aqui ou ali, engana-se. Vai muito além disso.
Vera Monteiro Torres, médica especialista em dermatovenereologia, afirma que "a pele é o reflexo do sistema nervoso". Isto porque, aquando da gestação embrionária, o sistema nervoso e a estrutura da pele são formados em simultâneo, criando uma ligação que se mantém ao longo da vida.
Os sinais mais imediatos de stress e ansiedade podem passar pela transpiração no rosto e nas mãos, palidez e, claro, ficar corada. Também os surtos de herpes estão intimamente relacionados com grandes acumulações de stress emocional, sejam eles herpes labial, vaginal ou zoster (poderá surgir em qualquer parte do corpo).
Mas a lista não fica por aqui. A ansiedade pode acarretar consequências mais graves, como a neurodermatite, que não é mais do que o resultado de coçar compulsivamente uma determinada região do corpo. Este ato pode resultar em inflamações que, por sua vez, conduzem a eczemas. Nestes casos, o tratamento só se torna eficaz quando deixa de haver fricção na região afetada. O ato de coçar a pele pode ainda provocar o chamado acne de escoriação, diferente do acne mais habitual, que é hormonodependente, ou seja, relacionado com as hormonas.

Quando falamos da contenção de emoções e sentimentos fortes, Vera Monteiro Torres adianta que pode surgir urticária, caracterizada pela erupção de pápulas salientes e avermelhadas originadas por uma reação alérgica. Em alguns casos, pode ainda haver inchaço dos lábios, garganta e olhos. E a lista não fica por aqui. Também as doenças autoimunes podem resultar da acumulação de stress, como a psoríase ou o vitiligo.

Ao contrário do que se pensa, a psoríase não é contagiosa. As zonas mais comuns de aparecimento são os cotovelos, joelhos, região lombar, couro cabeludo e unhas, onde surgem as chamadas placas avermelhadas cobertas por pele seca. Já o vitiligo corresponde à falta de pigmentação, criando manchas de descoloração que podem ir da pele ao cabelo. Neste caso, é necessária uma proteção solar extra, uma vez que a zona afetada pela doença fica mais sensível ao sol.

Quando nos direcionamos para questões estéticas, a constante tensão no rosto pode conduzir às tão indesejadas e temidas rugas. É fundamental adotar uma rotina de beleza que permita, acima de tudo, a prevenção das mesmas. Vera Monteiro Torres realça ainda a importância de perceber o estado psicológico do paciente antes de prescrever um tratamento. "É essencial ancorar o paciente com um dermatologista que tenha tempo e que, acima de tudo, dê o tempo necessário ao paciente", reforça a dermatologista, assegurando que "a partir deste momento, a fase de tratamento será muito mais eficaz".

Partilhar
Ver comentários
Últimas notícias
Vídeos recomendados
0 Comentários
Subscrever newsletter Receba diariamente no seu email as notícias que selecionamos para si!