Atual

Os livros da minha vida: A escolha de Isabel Rio Novo

Desafiámos alguns escritores portugueses a partilhar as suas escolhas literárias de uma vida. Conheça as de Isabel Rio Novo.
Por Rita Lúcio Martins, 02.04.2020

Natural do Porto, onde se doutorou em Literatura Comparada, Isabel Rio Novo é autora de obras como A Caridade (2005, Prémio Literário Manuel Teixeira Gomes), Histórias com Santos (livro de contos de 2014) e dos romances Rio do Esquecimento (2016, finalista do Prémio LeYa e semifinalista do Prémio Oceanos) e A Febre das Almas Sensíveis (2018, finalista do Prémio LeYa). Em 2019, publicou O Poço e a Estrada, biografia da escritora Agustina Bessa-Luís. Rua de Paris em Dia de Chuva, o seu mais recente romance, chegará brevemente as livrarias.

Machado de Assis, Memorial de Aires

É o último romance de Machado de Assis, um dos maiores escritores de todos os tempos, e por sinal de língua portuguesa. Mas podia ser qualquer livro deste autor. A narrativa caminha lentamente, ou pelo menos é isso que nos parece, até percebermos que tudo correu a um ritmo vertiginoso e já estamos na borda do precipício. Só que se trata de uma vertigem interior, contida, silenciosa; sem "banda sonora", como eu costumo dizer. E por isso mais perigosa.

Gustave Flaubert, Madame Bovary

Muita gente vive atormentada com a quantidade de livros que nunca irá ter tempo para ler na vida. Pela minha parte, sou uma releitora compulsiva, regressando obsessivamente a livros que já conheço. Li Madame Bovary pela primeira vez na faculdade. Reli-o aos trinta e poucos anos, já depois de ter sido mãe, e o destino da pequena Berthe, personagem que me passara completamente despercebida da primeira vez, atingiu-me como um golpe. Os livros bons são assim: ficam a ressoar em nós.

Marguerite Yourcenar, Memórias de Adriano

Um romance que confirma a minha convicção de que, bem melhor do que classificar livros e querer que eles encaixem em géneros ou categorias, é lê-los e fruí-los. É um romance histórico? Não é um romance histórico? É ficção? É não ficção? Que importa. A escrita de Yourcenar flui como uma carícia luxuriante, quase sensual, quase dolorosa. E, no posfácio, está aquela frase em que a autora descreveu perfeitamente, como se as duas tivéssemos discutido o assunto, o meu sentimento sobre os "amigos à distância": "duas dúzias de pares de mãos descarnadas, alguns vinte e cinco velhos bastariam para estabelecer um contacto ininterrupto entre Adriano e nós." Emociono-me sempre que leio isto.

Camilo Castelo Branco, Amor de Perdição

Romantismo, sentimentalismo, a força da paixão, a penumbra da tragédia, e depois a linguagem concisa, cortante, irrepreensível. Como disse Manoel de Oliveira, sacode-se o livro e não cai de lá nada: nenhuma palavra está a mais.

Albert Camus, O Estrangeiro

Um pequeno enorme livro que incomoda, perturba, desestabiliza. Gosto de livros que me atinjam as emoções e os nervos. Gosto de sentir que também eu poderia matar, como Mersault. (Tem mais efeito sobre mim uma página de Camus do que um livro inteiro de Sartre.)

Tags: livros escolhas literárias literatura isabel rio novo
Partilhar
Ver comentários
Últimas notícias
Vídeos recomendados
0 Comentários
Subscrever newsletter Receba diariamente no seu email as notícias que selecionamos para si!