Atual

Kristen Stewart como Jean Seaberg

A atriz narra a história de vida dramática do ícone do cinema dos anos sessenta e setenta Jean Seberg, no filme Seberg, que estreia a 27.

24 de fevereiro de 2020 | Rita Silva Avelar

Na crítica escrita por Jeannette Catsoulis no The New York Times, o título do artigo acerca do filme Seberg é Mulher em Chamas porque numa das deixas da película, realizada por Benedict Andrew, a personagem Jean Seberg (Kristen Stewart) diz ao ativista Hakim Jamal (Anthony Mackie), que foi o seu amante: "Um homem acendeu uma fogueira e atirou-me a ela." A alusão pode ser uma metáfora para explicar o que aconteceu à verdadeira Jean Seberg (Marshalltown, Iowa, EUA, 1938 – Paris, 1979), a atriz sob cuja história se desenrola o filme e que se centra no seu eventual apoio a uma força política de extrema-esquerda americana. "Estás a brincar com o fogo", advertiu-a Jamal.

Com ascendência sueca, alemã e inglesa, e dotada de uma beleza clássica e perturbantemente inocente, Jean Seberg não tinha completado 18 anos quando se mudou para Paris para participar num casting para o papel de Joana D’Arc no filme Santa Joana, de Otto Preminger. Este realizador acabou por elegê-la entre milhares de candidatas e, apesar de Seberg não ter suscitado grande atenção com o papel, este levou-a a êxitos como Bom Dia, Tristeza (de 1958), filme de Preminger e baseado no livro homónimo de Françoise Sagan, e a O Acossado (de 1960), de Jean-Luc Godard, que a catapultaram para o estrelato internacional.

Tornou-se uma musa da nouvelle vague e uma inspiração estilística para muitas mulheres devido ao seu cabelo muito curto e louro platinado que fazia ressaltar um rosto belíssimo que evocava um misto de Ingrid Bergman, de Mia Farrow e de Faye Dunaway, mantendo, ainda assim, uma pureza singular. Mas o seu lado mais radical levá-la-ia a um final de vida desolador. A suspeita de que apoiaria o movimento de extrema-esquerda Panteras Negras e de que estaria grávida de um membro do partido, Hakim Jamal, chamou a atenção do FBI, particularmente do agente Jack Solomon (Jack O’Connell), começando a ser vigiada e ameaçada. A perseguição terá levado a atriz à loucura: aos 40 anos e após ter ingerido uma dose letal de barbitúricos e de álcool, foi encontrada sem vida no banco de trás do seu Renault, perto do seu apartamento, em Paris.

Kristen Stewart encarna com distinção essa história de fama, de martírio, de talento e de loucura, traçando um retrato simultaneamente angustiante e fascinante de uma mulher que foi, acima de tudo, destemida. Estreia a 27 de fevereiro.

1 de 3
2 de 3
3 de 3
Saiba mais Marshalltown, Mulher em Chamas, Kristen Stewart, Otto Preminger, Hakim Jamal, Benedict Andrew
Relacionadas

Cosima, a artista britânica que chamou à atenção dos rappers portugueses

A jovem artista britânica Cosima Ehni, cuja sonoridade lembra uma junção de vozes como as de Tracy Champman ou Nina Simone, tem uma música produzida por Branko e pelo dj Sango, que mais tarde se transformou num remix com o rapper Profjam. Em entrevista à Máxima, revela que também já desfilou para Marques'Almeida.

Este Picasso pode ser seu por €100

Além de poder vir a ser proprietário de um quadro do famoso pintor Pablo Picasso, no valor de 1 milhão de euros, está a contribuir para uma causa solidária. Proporcionar e fornecer água limpa a 200.000 pessoas em África. Saiba como.

Mais Lidas
Realeza As amantes da vida de Juan Carlos

Num momento de especulação sobre o seu paradeiro, e após informar a casa real espanhola do seu afastamento, voltam a surgir as histórias da vida de um rei que nunca gostou de ser discreto.

Entrevista Diogo Faro, o pugilista digital: "Odiaria que a minha vida fosse igual à das mulheres que são apalpadas e assediadas."

O comediante lisboeta tornou-se nos últimos anos uma voz ativa na luta pela igualdade de género. As provocações humorísticas de Diogo Faro sucedem-se no mundo virtual, espicaçam a atualidade, incomodam alguns e originam reflexões sobre o machismo, homofobia e racismo. O seu humor serve-se de ironia para fazer crítica social. Um combate que Diogo Faro abraçou totalmente.