Atual

Diogo Fernandes, na pista do Lux com o Andy Warhol de Gus Van Sant

Depois de ter esgotado o Teatro Nacional D. Maria II, o espetáculo ‘Andy’ ou 'Trouble' parte em digressão pela Europa. Em Roma, Faro, Paris ou Atenas, o jovem Diogo vai continuar a contar em palco, a ascensão e queda de um dos maiores artistas do século XX. Conversámos com o ator revelação.

Diogo Fernandes, ator da peça 'Andy', de Gus Vant Sant.
Diogo Fernandes, ator da peça 'Andy', de Gus Vant Sant. Foto: Fernando Marques
06 de outubro de 2021 | Tiago Manaia

Temos encontro na pista de dança. As discotecas estão a escassos dias de abrir quando nos deslocamos até ao Lux Frágil para conhecer Diogo Fernandes, o ator escolhido por Gus Van Sant para dar vida a Andy Warhol no teatro. Ao início da tarde, a luz do sol bate no rio e entra pelas gigantescas janelas da discoteca, ilumina a pista e os jovens que ali trabalham — muitos são artistas quando não estão a colaborar com o Lux. Entusiasmados enchem os bares de bebidas para o regresso à vida noturna. Há esperança nos movimentos e nas vozes que se fazem ouvir através das máscaras de proteção. Ficamos parados a assistir a este reencontro de colegas, o ambiente é elétrico.

Diogo Fernandes, ator da peça 'Andy', de Gus Vant Sant.
Diogo Fernandes, ator da peça 'Andy', de Gus Vant Sant. Foto: Fernando Marques

Diogo Fernandes chega até nós vindo de um ensaio. Com o corpo já aquecido, abandona-se ao exercício de ser fotografado, toma as poses da personagem que interpreta agora no teatro. No Lux alguém nos explica que a bola de espelhos, onde se deve apoiar para as fotografias pode transformar-se num objeto cortante. Este elemento de magia noturna não foi feito para ser tocado. Diogo tem o corpo cheio de nódoas negras, pequenas mazelas de Andy, um espetáculo físico, onde perdeu 8 quilos desde que começou os ensaios. "Este trabalho que vem de fora alimenta o que acontece dentro do corpo do ator. Há coisas que podem aumentar o misticismo das personagens. O nosso trabalho é mentir da forma mais verdadeira possível, e no caso do Warhol há entrevistas em que vês a cara dele muito branca, ele perdeu a pigmentação da pele e utilizava maquilhagem para tapar as fragilidades. Eu aos poucos deixei de ir ao ginásio. Não queria estar musculado para fazer um homem que parecia um fantasma", diz-nos numa pequena introdução.

Diogo Fernandes, ator da peça 'Andy', de Gus Vant Sant.
Diogo Fernandes, ator da peça 'Andy', de Gus Vant Sant. Foto: Fernando Marques
Leia também

O espetáculo de Gus Van Sant começa em 1959 e atravessa três décadas. Apoia-se nas histórias que construíram a reputação do mais célebre artista da Pop Art. Diogo começa em jovem Andy a viver em casa da mãe, cresce em palco e viaja para as galerias e noites de Nova Iorque, onde se transforma numa personna impenetrável. "No meu trabalho tentei representar a personagem de Warhol que representa uma personagem ele próprio também". Nunca ninguém saberá o que sentia realmente o homem por trás da máscara pública. Incansável, o seu corpo é o único a envelhecer, acompanhado de um elenco extremamente jovem. A juventude que tanto foi explorada na filmografia de Gus Van Sant (em filmes como Last Days-Últimos Dia ou Elephant), deverá ser vista agora em palco como uma espécie de impostora? Precisa o teatro ser tomado pela energia de corpos inocentes e ingénuos? 

Diogo Fernandes, ator da peça 'Andy', de Gus Vant Sant.
Diogo Fernandes, ator da peça 'Andy', de Gus Vant Sant. Foto: Fernando Marques

Aos 23 anos, o ator conhece bem a rejeição dos castings impostos pela profissão, " O meu consolo para avançar, encontro-o em entrevistas de atores, onde percebemos que todos passaram por isto. Um ‘não' é um passo acima para chegar onde quero". Diogo acaba a nossa sessão de fotografias ileso, a bola de espelhos do Lux não o magoou. Só o nosso fotógrafo acaba por abrir um golpe na mão. No teatro, a superstição associa a presença de sangue numa performance a um bom presságio.

Diogo Fernandes, ator da peça 'Andy', de Gus Vant Sant.
Diogo Fernandes, ator da peça 'Andy', de Gus Vant Sant. Foto: Fernando Marques
Leia também

Do teatro de rua para a linhagem de River Phoenix

Esperamos um dia para nos encontrarmos novamente com Diogo, o ator está sentado no Cais do Sodré, não longe da estação de barcos que o levará a Palmela, cidade onde cresceu. Conta-nos como conheceu Gus Van Sant. O irmão filmou-o numa selftape, onde tinha de representar e cantar. Em tempos teve uma banda, compunha originais, inspirava-se em canções como Creep de Radiohead. "Gravei aquilo a pensar que não ia ficar com o papel de qualquer forma", fala connosco num tom extremamente baixo. Deslocou-se depois a uma audição coletiva dirigida por John Romão, o diretor artístico da Bienal BoCA que acompanhou todo o processo de criação. Tudo era filmado e seguia para o outro lado do mundo. Acrescenta: — "Foi só no momento em que o Gus apareceu no primeiro ensaio que eu percebi que ele vinha mesmo, que seria ele a encenar", ri-se. Filmes como O Bom Rebelde, com Matt Damon, marcaram a sua infância, "da mesma forma que ouvir o meu pai a cantar canções de karaoke." A família tinha pouca ligação às artes, mas aos 11 anos a mãe percebeu que Diogo sentia um apelo pelo teatro. Em Palmela, a companhia de João Brites, o Teatro Bando, organiza há mais de uma década confrarias onde introduz o palco aos jovens da região. Ali experimentou um teatro físico, fazendo nascer nele uma paixão pela representação pura e dura, "que não tinha nada a ver com a fama e essas coisas… isso até me assusta". No percurso académico, Diogo tentou fugir à evidência do ensino artístico. Estudou ciências, formou-se em engenharia, " depois fazia coisas com o teatro Bando e vinha louco com a energia de criar um espetáculo com amigos. Lembro-me de ser muito novo e pensar que ser ator não era uma profissão em concreto". Tudo mudou.

Pouco tempo antes do acidente que lhe causou a morte, o ator River Phoenix estava ligado a um projeto sobre a vida de Warhol dirigido por Gus Van Sant. Fotografia de 1991.
Pouco tempo antes do acidente que lhe causou a morte, o ator River Phoenix estava ligado a um projeto sobre a vida de Warhol dirigido por Gus Van Sant. Fotografia de 1991. Foto: Getty Images

Atualmente frequenta o segundo ano da Escola Superior de Teatro e Cinema, fala de um investimento visceral, evocando atores como Joaquin Phoenix e Adam Driver, que encantam o ecrã com a intensidade da improvisação. Joaquin é o irmão mais novo de River Phoenix — que desapareceu prematuramente, no auge da sua carreira em 1993. Na altura do acidente que envolveu a sua morte, River estava ligado a um projeto sobre a vida de Warhol dirigido por Gus Van Sant. "Ele tinha até o cabelo platinado na altura", acrescenta Diogo, que continua a achar incrível poder evocar cenas de My Own Private Idaho (filme que afirmou River) com o realizador que lhe dá agora a primeira grande oportunidade num percurso que se anuncia promissor.

Leia também

A energia coletiva do elenco de Andy também o embala na partilha de experiências, fazendo-o esquecer a pressão de ser protagonista de um espetáculo que se prepara para viajar pela Europa. "Um dos desafios de ser ator é nunca perder a criança dentro de nós. Os artistas que admiro são os que sentes que mantiveram essa essência."

Antes de apanhar o barco, Diogo tira da mochila o livro A Filosofia de Andy Warhol. Lê-nos um excerto num inglês perfeito. Continua a descobrir detalhes sobre a sua personagem, o livro está amassado de tanto uso. A sua voz projeta-se enquanto lê.

Livro 'A Filosofia de Andy Warhol'.
Livro 'A Filosofia de Andy Warhol'. Foto: Fernando Marques

Imaginamos Diogo no barco em direção à Margem Sul e os mundos imaginários que transporta na travessia. Andy e River voltaram a encontrar-se em Lisboa num corpo que se prepara para dar vida a tantos outros personagens.

Leia também
Andy ou Trouble de Gus Vant Sant, no dia 16 de outubro no Teatro das Figuras, em Faro.

 

Saiba mais Andy Warhol, Gus Van Sant, Diogo Fernandes, Lux Frágil, Teatro Bando, River Phoenix, Joaquin Phoenix, artes, cultura e entretenimento
Mais Lidas