Cinema&TV

Os melhores papéis de Sandra Bullock

No dia do seu 53.º aniversário, destacamos os trabalhos que mais marcaram a longa carreira da atriz.
Por Ângela Mata, 26.07.2017

Quem não se recorda da ‘miúda’ que surgiu ao lado de Keanu Reeves a conduzir um autocarro a mais de 80 km/h para evitar que uma bomba explodisse? Sandra Bullock celebra hoje o seu 53.º aniversário.

No entanto, talvez poucos saibam que esteve quase a não interpretar o papel que a catapultou para a fama não fosse a insistência do realizador Jan de Bont. Foi com a amabilidade, humanidade e sensibilidade que lhe conhecemos que a atriz acabou por conquistar toda a equipa, as mesmas características que a tornaram uma das atrizes mais adoradas da América.

De acordo com um artigo da Vanity Fair, Sandra Bullock foi a animadora de serviço durante toda a rodagem do filme Speed: dançava salsa com os técnicos, animava Keanu Reeves, na época deprimido com a morte do amigo River Phoenix, e liderou um protesto contra o calor que se fazia sentir em Los Angeles (tirando o soutien e sentando-se em cima dele em pleno asfalto).

Ainda nesse ano (1994), Sandra Bullock acabou por ganhar o prémio de Atriz Mais Desejada da MTV, ultrapassando nomes como os de Cameron Diaz, Demi Moore, Halle Berry e Sharon Stone.

Sandra Bullock nasceu na Virgínia (Estados Unidos) e é filha de uma cantora de ópera alemã. Teve a sua grande estreia em palco com apenas cinco anos, na Alemanha, onde viveu com os pais até aos 12 anos, e hoje, além do inglês, fala fluentemente alemão.

Já nos Estados Unidos, Sandra abandonou a faculdade para se tornar atriz. Faltava-lhe pouco para terminar o curso na East Carolina University quando decidiu fazer as malas e mudar-se para Nova Iorque.

Depois de contracenar com o ator Matthew MacConaughey (com quem também manteve um relacionamento), em A Time to Kill, chegou a ter um restaurante no Texas chamado Bess Bistro. Ryan Gosling, com quem contracenou em Murder by Numbers (2002), foi outro dos seus namorados, na altura menos conhecido e 16 anos mais novo do que Sandra.

Na época, a atriz estava a gravar o filme Two Weeks Notice, ao lado de Hugh Grant, e consta que o ator britânico brincava com ela por causa desse relacionamento, dando mesmo a alcunha de ‘a criança’ a Gosling.

Com o tempo, a simpatia e simplicidade de Sandra Bullock acabaram por transformá-la na ‘namoradinha’ da América. "Sempre pensei que acabaria por trabalhar como empregada de um hotel, numa qualquer cidade pequena, e seria a mais velha de todas, aquela que conhece toda a gente. Sempre gostei da ideia de fazer as pessoas sentirem-se confortáveis, porque isso faz-me sentir a mim própria mais confortável. Estranhamente, sou uma introvertida. E por causa dessa característica da minha personalidade, gosto da ideia de tomar conta da equipa – na esperança de que, eventualmente, alguém tome conta de mim também um dia", revelou a atriz numa entrevista recente à revista Glamour norte-americana. 

Na mesma conversa, Sandra Bullock revelou também o que a fez arrumar a sua vida de uma vez por todas: "A maternidade e o divórcio. (…) Uma vez mais, eu deixei-me afetar por isso. Ouvi de tudo. E dei uns passos em frente e outros atrás. Pensei: ‘Tenho o melhor dos presentes no pequeno Louis e vou deixá-lo ver em mim a mulher que eu quero que ele conheça.’ Portanto, uma criança obriga-te a ‘arrumar a casa’, da forma mais positiva possível." Sandra Bullock adotou o filho no Louisiana, em janeiro de 2010, e cinco anos depois voltou a adotar outra criança, desta vez uma menina, também africana, chamada Laila.

Para a voltarmos a ver no grande ecrã, vamos ter de esperar até 2018, onde interpretará uma das personagens da saga Ocean’s 8. Até lá, vale ainda a pena recordar o discurso emocional da atriz quando venceu o Óscar de Melhor Atriz, em 2009, pela sua interpretação no filme The Blind Side.

Partilhar
Ver comentários
A Máxima recomenda
Vídeos recomendados
Outras notícias Cofina
0 Comentários
Subscrever newsletter Receba diariamente no seu email as notícias que selecionamos para si!