Atualidade

Novo algoritmo que deduz orientação sexual causa polémica

Foi criado por investigadores nos EUA e está a ser alvo de muitas críticas.
Por Margarida Ferreira, 12.09.2017

Um grupo de investigadores da Universidade de Stanford criou um sistema que utiliza redes capazes de identificar a orientação sexual. Foi experimentado em mais de 35 mil fotografias de utilizadores de um site de encontros e respondeu corretamente entre 74% e 91% das vezes. O sistema foi produzido para exemplificar o potencial e o perigo da inteligência artificial para a privacidade, mas o trabalho está a gerar polémica junto de várias organizações LGBT.

O algoritmo treinado para especificar a orientação sexual dos utilizadores do site acertou em 74% das vezes no caso das mulheres e em 81% no caso dos homens. Ou seja, a nova tecnologia tem uma precisão maior que a dos humanos que, no caso das mulheres, só acertaram 54% e no caso dos homens 61%. Ainda assim, este estudo tem algumas limitações, como não detetar pessoas que se identifiquem como bissexuais ou assexuais e ter sido apenas testado em pessoas de raça branca.

Os resultados deste teste mostram que a orientação sexual é inata e está relacionada com a exposição a determinadas hormonas. Ou seja, as caras dos homens homossexuais, por exemplo, têm traços comuns às das mulheres, como menos barba, queixos mais estreitos e narizes mais compridos, porque têm uma exposição maior à hormona feminina, a progesterona.

A investigação foi naturalmente alvo de muitas críticas, mesmo que o objetivo maior dos seus investigadores seja alertar as pessoas para os riscos da tecnologia de reconhecimento facial e para o poder das capacidades de algumas máquinas.

Partilhar
Ver comentários
Últimas notícias
A Máxima recomenda
Vídeos recomendados
Outras notícias Cofina
0 Comentários
Subscrever newsletter Receba diariamente no seu email as notícias que selecionamos para si!