Atualidade

Emigração de portugueses regista os valores mais baixos dos últimos anos

Em 2016, 100 mil portugueses saíram do país. O valor não era tão baixo desde 2012.
Por Marta Carvalho, 20.12.2017

Segundo o Observatório da Emigração, a emigração nacional em 2016 atingiu o valor mais baixo dos últimos cinco anos. Os valores começaram a aumentar em 2012, altura em que emigraram 105 mil portugueses (em 2011 tinham deixado o país 85 mil), e a partir desse ano os valores continuaram a subir. Em 2013 registaram-se 120 mil casos de emigração e em 2014 ocorreu uma ligeira descida (115 mil), que se repetiria no ano seguinte (110 mil).

Embora a tendência de decréscimo já não seja de agora, em 2016 os valores desceram consideravelmente. Nesse ano, 100 mil portugueses emigraram, o valor mais baixo desde 2012.

Rui Pena Pires, responsável pelo Observatório da Emigração, declarou ao jornal Público que embora o decréscimo seja significativo, "vamos demorar a retomar os níveis de antes da crise" e que é normal que a emigração continue nos próximos anos. "Portugal ainda não está num processo de expansão económica muito forte" e "quando a emigração cresce mais, a certa altura, fica menos sensível aos incentivos económicos", pelo que o único fator que pode reduzir consideravelmente a emigração será a crise nos países de destino.

Esta redução do número de emigrantes em Portugal deve-se "à diminuição, pela primeira vez, da emigração para o Reino Unido e para Angola, que eram dois dos principais países de destino e que se mantinham estáveis apesar dos outros já estarem a descer". O decréscimo de imigrantes portugueses no Reino Unido foi de 5%, mas em Angola desceu para quase metade. Espanha, no entanto, teve uma subida de entradas de imigrantes portugueses, mas os valores mesmo assim não compensam a diminuição da emigração para outros destinos.

Surpreendentemente, e apesar da nova vaga de emigrantes licenciados, "a emigração continua a ser maioritariamente de mão-de-obra mesmo muito pouco qualificada". No Reino Unido, apenas um terço dos emigrantes portugueses têm cursos superiores, enquanto noutros países o número de licenciados é igual ou inferior a 10%.

 

 

Partilhar
Ver comentários
Últimas notícias
Vídeos recomendados
Outras notícias Cofina
1 Comentários
Anónimo não entendo porque Portugal não aceita os refugiados da Síria ou outros países onde tem tantos problemas...somente a Alemanha e a Suécia deveria resolver o problema?? acho uma *erd*A
20.12.2017
Subscrever newsletter Receba diariamente no seu email as notícias que selecionamos para si!