Viagens

Conheça as 12 maravilhas mais ameaçadas da Europa

A associação Europa Nostra revelou os nomeados para o programa Os Sete Mais Ameaçados.
Por Andreia Rodrigues, 19.01.2018
2018 é o Ano Europeu do Património Cultural e por isso este é o momento de "celebrar o património cultural único da Europa e realçar o seu papel fundamental em promover a nossa identidade comum e construir uma Europa mais inclusiva. Sensibilizar e mobilizar esforços para salvar o património ameaçado pela Europa é outro dos objetivos", explicou o presidente executivo da Europa Nostra, Denis de Kergorlay, na página da associação.

Numa iniciativa entre a associação Europa Nostra, o Instituto Europeu de Bancos de Investimento e o Banco de Desenvolvimento do Conselho da Europa, foram nomeados 12 locais, por um painel de especialistas em história, arqueologia, arquitetura, conservação, análise de projeto e finanças. Os 12 monumentos e locais foram selecionados tendo em conta o património excecional e valor cultural, bem como o perigo iminente que correm.
Concorrem agora para serem eleitos entre Os Sete Mais Ameaçados, numa lista que será selecionada pelo Conselho da Europa Nostra. Os sete "vencedores" serão objeto de uma "missão de resgate".

Os doze nomeados são: o centro histórico de Gjirokastra, Albânia; as Igrejas pós-bizantinas em Voskopoja e Vithkuqi, Albânia; o centro histórico de Viena, Áustria; a refinaria de carvão em Beringen, Bélgica; o monumento Buzludzha, Bulgária; a rede de teleférico aéreo em Chiatura, Geórgia; o complexo de mosteiros David Gareji, Geórgia; o Castelo de Sammezzano, Toscana, Itália; o Casino Constanta, Roménia; as cavernas pré-históricas de arte rupestre na província de Cádis, Espanha; o orfanato grego Prinkipo, Adalar, Turquia; e a fábrica de gelo de Grimsby, Reino Unido.

Alguns destes locais estão em perigo devido a negligência ou desenvolvimento inadequado, outros por falta de recursos ou especialidade. Para os salvar, é crucial que haja o envolvimento de comunidades locais e o compromisso das partes interessadas, públicas e privadas.
 
"Salvar estes 12 sítios não vai só beneficiar o património cultural destes monumentos. O investimento também vai gerar benefícios socioeconómicos, a nível local, regional e nacional", disse Francisco de Paula Coelho, reitor do Instituto Europeu de Bancos de Investimento, no comunicado divulgado pela associação. Acrescentou que o "investimento bem preparado e bem implementado em herança cultural compensa em termos de desenvolvimento social, económico e cultural e é importante espalhar esta mensagem durante o Ano Europeu do Património Cultural".

O programa foi lançado em janeiro de 2013 pela Europa Nostra, com o Instituto Europeu de Bancos de Investimento como parceiro fundador e o Banco de Desenvolvimento do Conselho da Europa como parceiro associado. Foi inspirado num projeto similar bem-sucedido, operado pelo Fundo Nacional para Preservação Histórica dos Estados Unidos. Tem o apoio do programa Europa Criativa, da União Europeia, e é parte do projeto da rede Europa Nostra, Sharing Heritage – Sharing Values [Partilhar Herança – Partilhar Valores]. Os sete vencedores vão ser anunciados a 15 de março. 

 

Partilhar
Ver comentários
Últimas notícias
Vídeos recomendados
Outras notícias Cofina
0 Comentários
Subscrever newsletter Receba diariamente no seu email as notícias que selecionamos para si!