Gourmet

5 programas para fazer este fim de semana

Jantar em novos restaurantes, ver exposições ou assistir a um concerto. Há todas as razões para sair de casa no próximo fim de semana.
Por Rita Silva Avelar, 26.01.2018

Provar o novo menu do Café Príncipe Real

Quem passeia pela rua Dom Pedro V, perto do jardim do Príncipe Real, dificilmente adivinha que no número 56 J, nas traseiras da rua, está um dos segredos mais mal guardados da hotelaria lisboeta: o hotel Memmo Príncipe Real, que abriu portas em outubro de 2016. Este boutique-hotel de cinco estrelas é o terceiro projeto do grupo Memmo (que também tem espaços em Alfama, em Lisboa, e na Baleeira, em Sagres) e o restaurante, que oferece uma das melhores vistas sobre a cidade, tem a cozinha a cargo do chef Vasco Lello. A pensar na primavera, o chef elaborou uma nova carta que reúne sabores de todos os cantos do mundo, da Ásia a África. Nas entradas, a novidade são as ostras asiáticas com soja, caviar de yuzu e shitaki (€4) e os mini-tacos de tártaro de novilho com pickle de mostarda ou o de atum, kimchee e amendoim (€3,50). As entradas prometem abrir o apetite para o que se segue: nos pratos de carne sobressai o sabor intenso do pernil de borrego assado com tâmaras e lentilhas (€19) e entre as sugestões de peixe é obrigatório provar o caril de garoupa e camarão com arroz basmati e chutney de manga (€22). A cereja no topo do bolo chega em forma do chocolate de São Tomé com banana e praliné de amendoim salgado (€8) e de um suspiro de frutos tropicais com pistácios torrados e gelado de goiaba (€7). Se estiver indeciso, o truque é não hesitar em pedir as duas.

Rua D. Pedro V, 56, das 12h às 15h e das 19h30 às 22h

Ir ao Teatro Nacional D. Maria II

Com criação de Amarelo Silvestre, encenação de Victor Hugo Pontes e interpretação de Leonor Keil e Rafaela Santos, a peça Canas 44 gira em torno de duas personagens, uma que está a chegar e outra que está de partida. Porquê Canas 44? A história passa-se em Canas de Senhorim e ambas as personagens têm a mesma idade, 44 anos. À medida que a história se desenrola há um "universo autoficcional que especula sobre pessoas, lugares, ruas, que já não existem ou que estão em vias de desaparecimento (…) como um movimento contínuo entre utopia e catástrofe, como se ressuscitar os mortos fosse uma forma de inscrevê-los na História". O bilhete custa €12 e o espetáculo está em cena de 25 a 28 de janeiro, de quinta a sábado, às 21h30 (domingo, às 16h30). A direção artística é de Victor Hugo Pontes.

Petiscar com amigos no Topo Belém

Abriu no final do ano passado e tornou-se o terceiro espaço do Topo, que já está instalado em dois lugares históricos: no Chiado, nos terraços do Carmo, e no Martim Moniz, no topo do centro comercial. Agora chegou ao CCB com uma carta de petiscos e sabores vincadamente nacionais. Nas entradas, há croquetes de carnes do cozido (€2,50) e os peixinhos da terra (cogumelos) e maionese de algas (€6) são boas sugestões para partilhar. Já nos pratos principais as estrelas da carta são o brás de bacalhau (€16) e o rib eye Carnis com batata frita e legumes, ideal para duas pessoas (€39). Na carta de cocktails, as sugestões vão do Dead Men Tell no Tales (€9) ao Obi Wan (€9) e ao Velho do Restelo (€10).

Praça do Império, de domingo a quinta-feira, das 12h às 24h, e de sexta-feira a sábado, das 12h às 02h

Assistir aos concertos do Festival dos Quartetos de Cordas na Gulbenkian

De 27 a 29 de janeiro, a programação musical da Gulbenkian apresenta (numa parceria com a Biennale de Quatuors à Cordes de la Philharmonie de Paris) o Festival dos Quartetos de Cordas. A iniciativa pretende dar a conhecer seis dos mais inventivos e jovens quartetos da atualidade: David Oistrakh String Quartet, Jack Quartet, Artemis Quartett, Quator Arod, Elias String Quartet e Chiaroscuro Quartet. Os artistas vão apresentar obras contemporâneas, mas também revisitar peças obrigatórias do reportório de câmara ? de Xenakis e Haas a Bach, Beethoven e Mozart. Destaque para o concerto do Jack Quartet no sábado, 27 de janeiro, às 18h, no Grande Auditório. Há sessões livres, os bilhetes custam €12 e foi criado um passe especial para os seis recitais, no valor de €40 – ambos podem ser adquiridos aqui.

Ouvir o jazz de Ricardo Toscano na Culturgest

Com um percurso musical que começou nas bandas filarmónicas, Ricardo Toscano começou por tocar clarinete, mas foi na Escola de Jazz Luiz Villas-Boas do Hot Clube que se dedicou ao saxofone (alto). Agora, o seu talento é dado a conhecer no palco do Grande Auditório da Culturgest, acompanhado por João Pedro Coelho, no piano, Romeu Tristão, no contrabaixo, e João Pereira, na bateria. Dia 27 de janeiro às 21h30, com entrada a €14 (€5 para desempregados). 

Partilhar
Ver comentários
Últimas notícias
Vídeos recomendados
Outras notícias Cofina
0 Comentários
Subscrever newsletter Receba diariamente no seu email as notícias que selecionamos para si!