Tendências

Tendência: Revolução Russa

Do tempo do Ballet Russes ao sportswear pós-soviético dos anos 90, as influências russas começaram por aliciar a moda com uma nova estética, para agora invadirem a indústria em força, derrubando a estética de Paris e a criatividade de Londres como se fossem um leve castelo de cartas. Agora vamos ter de deixar o Leste dominar.
Por Carlota Morais Pires, 26.10.2017

No início do século XX o russo Sergei Diaghilev fundava o Ballets Russes em Paris e transformava para sempre a dança, a performance e o movimento. Mas também mudava a moda: deu ao mundo novos estímulos visuais, influenciou toda uma corrente estética e trabalhou para fazer subir ao palco os mais maravilhosos figurinos, em espetáculos que rapidamente se tornaram verdadeiras apresentações de Alta-Costura. A estreia dos primeiros ballets de Diaghilev coincidiu com a altura em que o francês Paul Poiret criava algumas das peças mais inovadoras das páginas da moda. Desenhou vestidos, túnicas e calças bordadas e inspirava-se nas linhas e formas usadas por Léon Bakst, o pintor, cenógrafo e ilustrador que assumia a direção artística dos projetos do Ballets Russes.  

Na realidade, estes espetáculos mostravam em Paris cenários idílicos e romanceados, que não encaixavam na realidade russa, marcada pela pobreza extrema e por um fosso imenso que separava Moscovo das zonas rurais, que afastava o povo da classe política. A ditadura comunista que engoliu a Rússia (e os restantes estados satélite que formavam a URSS) de 1917 a 1991 obrigou, naturalmente, a uma estagnação ou mesmo a um retrocesso cultural, que também minou a estética, ou não fosse a lógica da extrema-esquerda uma antítese do que alimenta a moda. Mas, ainda assim, alguns criadores recuperaram referências russas dos tempos czaristas (ou da projecção fantasiosa de Diaghilev) e imprimiram-nas nas suas coleções. Yves Saint Laurent fê-lo no fim da década de 70 com a Russian Collection, também inspirada no imaginário do Ballet Russes, no seu universo de cores ácidas, nos turbantes em pelo (as papakhas) e saias compridas, a fazer lembrar as matrioskas.

A queda do muro de Berlim e da URSS aproximou os russos da moda. Estávamos nos anos 90 quando a televisão mostrava imagens marcantes do Leste europeu, o sportswear literal – fatos de treino impermeáveis, azuis, verdes e cor-de-rosa, ténis brancos, meias brancas, fios de ouro ao pescoço e cabeças rapadas. As mulheres usavam t-shirts e atavam os cabelos pintados de castanho-escuro. São referências tão recentes que é impossível não nos lembrarmos delas quando vemos as coleções de Rubchinskiy, o criador russo de menswear que acaba de colaborar com a Fila e com a Adidas, o que lhe garantiu um lugar nas cobiçadas prateleiras do Dover Street Market. Mais importante ainda, convenceu a indústria de que estas são as peças que queremos usar agora - porque escolheu o timing certo para recuperar a estética russa dos anos 90, agora que Demna Gvasalia está a explorar a mesma lógica na Vetements e na Balenciaga.

A revista de moda do The New York Times encontra uma ligação estética entre Rubchinskiy, Gvasalia, e Lotta Volkova, arussa que trabalha com Gvasalia na concretização do styling da Vetements e da Balenciaga. "Os três parecem focar-se no streetwear quase sujo, nos materiais sintéticos e nas cores primárias que cresceram a vestir. É uma imagem característica da Europa de Leste, com uma afinidade peculiar por aquilo que é feio ou invulgar, que não parece moda – ou não parecia, até agora", escreve o jornalista Alexander Fury.  

Mas não são só os fatos de treino em poliéster e os ténis espaciais que invadiram esta estação, como um exército em fúria. Recupera-se a silhueta militar nos casacos compridos e parece que uma mancha encarnada pintou todas as coleções de inverno. Também volta o romance dos Ballets Russes e a exuberância czarista nos casacos e estolas em pelo (que  agora são mais interessantes nas versões sintéticas, um pré-aviso de mudança na indústria que está finalmente a deixar o pretensiosismo de lado), nos casulos que nos protegem do frio.

      

Partilhar
Ver comentários
Últimas notícias
Vídeos recomendados
Outras notícias Cofina
0 Comentários
Subscrever newsletter Receba diariamente no seu email as notícias que selecionamos para si!