Especiais

O que comem eles ao pequeno-almoço?

De Karlie Kloss a Reese Witherspoon, alguns dos hábitos que as celebridades têm logo pela manhã.
Por Ângela Mata, 07.10.2017

Dos smoothies às panquecas e aos ovos com bacon, estes são os pequenos-almoços de algumas celebridades. No caso de umas, podemos seguir-lhes o exemplo, no caso de outras, nem tanto.

Tendo em conta a importância que lhes é reconhecida, os pequenos-almoços devem ser bem recheados e apreciados com calma. Um cenário bonito e uma ementa apelativa podem fazer milagres. Prova disso é a preocupação que muitas celebridades têm com esta primeira refeição do dia e a forma como o revelam nas redes sociais.

É tão importante respeitar os ritmos de sono como as refeições que devemos ter ao longo de 24 horas. O pequeno-almoço é considerado a mais importante das refeições, aquela que é capaz de nos dar as vitaminas e nutrientes suficientes para começar bem o dia. O nosso corpo precisa que lhe indiquemos que terminou um período de descanso e que passamos à atividade de mais um dia de trabalho. E, para isso, é necessária energia.

Comer bem logo pela manhã ajuda ainda a manter o nosso metabolismo ativo ao longo de todo o dia. Está provado que as pessoas que não tomam pequeno-almoço têm maior propensão a desenvolver problemas de excesso de peso e obesidade, bem como transtornos de ansiedade relacionados com a comida. O segredo está em comermos pouco, mas várias vezes ao dia.

De acordo o jornal britânico The Guardian, um novo estudo vem agora revelar que ‘saltar’ esta primeira refeição do dia pode trazer problemas cardíacos. Esta investigação, também publicada no Journal of the American College of Cardiology, analisou 4 mil pessoas e dividiu-as em três categorias: os que não tomavam pequeno-almoço, os que tomavam uma primeira refeição pouco rica em nutrientes e os que tomavam um pequeno-almoço completo.

Os resultados revelaram que quem não tomava o pequeno-almoço ou o tomava mas numa versão muito ligeira tinha mais hipóteses de desenvolver aterosclerose – condição potencialmente complicada caracterizada pela formação de ateromas dentro dos vasos sanguíneos.

"As pessoas que saltam o pequeno-almoço não só comem tarde e mal como têm também uma má qualidade de vida. E não é propriamente no saltar o pequeno-almoço que está o problema, mas sim naquilo que se come depois em vez dele", revelou Valentin Fuster, coautor da investigação e diretor do hospital Mount Sinai Heart de Nova Iorque.

Partilhar
Ver comentários
Últimas notícias
A Máxima recomenda
Vídeos recomendados
Outras notícias Cofina
0 Comentários
Subscrever newsletter Receba diariamente no seu email as notícias que selecionamos para si!