Especiais

Meghan Markle: de ícone feminista a imprescindível à realeza

Tinha tudo para não ser a escolhida do Príncipe Harry, mas a verdade é que os tempos parecem estar a mudar na família real inglesa. E Meghan Markle pode fazer a diferença.
Por Ângela Mata, 19.12.2017

Meghan Markle é, pelo segundo ano consecutivo, a atriz e a personalidade mais pesquisada no motor de buscas global do Google. Nas suas veias não corre sangue real, nem tão pouco é de famílias aristocráticas, não é loira (como as anteriores namoradas de Harry), não estudou nas melhores universidades do mundo e nem sequer é de origem inglesa, mas abdicou de quase tudo na sua vida, incluindo da própria carreira de atriz, para ficar ao lado do príncipe Harry.

Para alguns, este pode parecer um contra-senso, já que antes de se tornar conhecida  como namorada do herdeiro da coroa inglesa, Markle era uma ativista dos direitos das mulheres, assumidamente feminista. Agora, ao deixar para trás a carreira, há quem questione esse seu lado e defenda que deveria manter a sua profissão, independentemente de passar a fazer parte da família real.

Na entrevista que deu à BBC, no dia do anúncio de noivado, em novembro, Meghan esclareceu: ‘Eu vejo isto apenas como uma mudança… É um novo capítulo. E para além disso, há que ter em conta que estive a trabalhar na série durante sete anos. Portanto, nós até fomos bastante sortudos ao ter participado em algo com tanta longevidade, e para mim, quando atingimos os 100 episódios pensei, sabem que mais?, atingi este feito e estou bastante orgulhosa disso, agora é hora de, como tu (Harry) disseste, trabalhar – trabalhar em equipa contigo’.  Na mesma entrevista, Meghan falou ainda das vantagens que o aumento de notoriedade do seu papel enquanto membro da família real vai trazer às causas sociais que defende. Entende que esse mesmo papel trará muito mais responsabilidades, daí que considere necessário haver uma dedicação total da sua parte.

Desde o anúncio do noivado real, vários protocolos têm sido, no entanto, quebrados. Primeiro, Meghan falou publicamente do seu amor por Harry através de uma entrevista à revista norte-americana Vanity Fair, o que não tinha acontecido antes. Segundo, na primeira vez que o casal surgiu oficialmente em público, estiveram sempre de mãos dadas – algo que não é comum na realeza. Terceiro, Meghan Markle já foi casada com o produtor de Hollywood Trevor Engelson, de quem se divorciou em agosto de 2013. Quarto, Meghan não pertence à Igreja Anglicana. Todos estes pontos seriam mais facilmente encarados como uma desvantagem para alguém que tivesse intenções de se casar com o quinto na linha de sucessão ao trono de Inglaterra, no entanto, esses podem transformar-se em mais-valias para a casa real inglesa.

Mas, a influência de Meghan Markle é já inquestionável. Para além do sucesso evidente que os seus looks têm tido e da consequente procura de um mundo inteiro em copiar o seu estilo, consta que já conseguiu que o príncipe Harry deixasse de fumar.

Na fotogaleria em cima, veja o que faz com que Meghan Markle seja uma mais-valia para a realeza britânica. 
Partilhar
Ver comentários
Últimas notícias
Vídeos recomendados
Outras notícias Cofina
0 Comentários
Subscrever newsletter Receba diariamente no seu email as notícias que selecionamos para si!