Saúde

Ele violou-a. Ela viveu atormentada, ele viveu com a culpa. Hoje, contam juntos a história

Esta história corre o mundo. Para além de ser contada pela vítima é também contada pelo homem que a abusou sexualmente. Juntos correm as TED Talks e estão prestes a lançar um livro.
Por Máxima, 09.02.2017

O início da história de Thordis Elva e Tom Stranger é igual ao de tantos jovens casais, mas numa noite tudo mudou. Agora, 20 anos depois, regressam a esse momento. 

Em 1996, com apenas 16 anos, a islandesa Thordis Elva foi brutalmente violada pelo namorado. Na altura, Tom Stranger era um estudante estrangeiro a frequentar o curso de Ciências Sociais na universidade local. Tudo aconteceu depois de uma noite de copos, em que Tom leva a namorada para casa e, perante a sua vulnerabilidade, a viola. No testemunho que hoje dá, Thordis recorda que, embora o seu corpo não tenha tido capacidade de resposta, se recorda de fixar o relógio e contar mentalmente os segundos. Descobriu, desta forma brutal, que 2 horas têm 7200 segundos. "Depois de andar com dificuldade durante semanas e chorar dias a fio, o incidente não preenchia a imagem violenta que tinha da violação que via nas notícias da televisão. O Tom não era um lunático perigoso,  era o meu namorado, e não aconteceu num beco assustador, aconteceu no meu próprio quarto" confessa.

Depois de tudo acontecer e de ambos tomarem consciência do acontecimento irreparável que pairava agora nas suas vidas, encontraram-se apenas um par de vezes antes do regresso de Tom ao seu país, a Austrália. Ele recorda que, durante muitos anos, não viu o que aconteceu como um episódio de violação, mas os sentimentos de vazio e culpa nunca o abandonaram. 

Vinte anos depois, dão conferências em TED Talks pelo mundo. Juntos. Recentemente foi divulgado um vídeo do testemunho de ambos na TEDWomen2016, em São Francisco. Afinal, o que aconteceu ao longo deste período? Depois de oito anos em silêncio, durante os quais Thordis recordou, recorrentemente, os acontecimentos daquela noite, a islandesa decide enviar correspondência a Tom, numa tentativa de encontrar alguma paz e reconciliação com o passado. 

Aos 25 anos "abateu-se sobre mim um esgotamento emocional (...) estava consumida por ódio e raiva". Depois de enviar uma carta a Tom a explicar o que sentia,  mantiveram correspondência por oito anos. Dezasseis anos depois, decidiram encontrar-se  em Cape Town. Durante uma semana, falaram sobre o sucedido e sobre como este particular acontecimento influenciou brutalmente as vidas de ambos. "Quando o avião aterrou, lembro-me de pensar: Porquê que é que não fui  a um terapêuta ou comprei uma garrafa de vodka, como uma pessoa normal faria?"

Mas a conversa e o tempo que passaram juntos durante esse período foi de verdadeira transformação. "As minhas ações naquela noite, em 1996, foram puramente egoístas. Confessar pessoalmente à Thordis que a violei transformou a nossa relação, mas acima de tudo a culpa que, erradamente, ela carregava foi transferida para mim. "Não foi a minha saia, não foi o meu sorriso, não foi o alcóol. A única coisa que poderia ter impedido a violação, naquela noite, era o homem que me violou - ele era a única pessoa que poderia impedir isto", revela, já que durante anos se culpabilizou a si mesma, em parte, pelo que aconteceu.

Por fim, ambos confessam que a sua história é única, não pretende ser uma fórmula e não é, de longe, aplicavél em todos os casos. Mas é um exemplo de reconciliação, um exemplo que tem apenas o intuito de inspirar outros a encontrar o perdão e a paz interior perante um evento traumático. Além de se juntarem, hoje em dia, em conferências como as TED Talks e de falarem sobre agressão sexual, Thordis e Tom vão lançar um livro que relata a história. 

O vídeo com o testemunho completo pode ser visto abaixo.

Partilhar
Ver comentários
A Máxima recomenda
Vídeos recomendados
Outras notícias Cofina
0 Comentários
Subscrever newsletter Receba diariamente no seu email as notícias que selecionamos para si!