Saúde

Como identificar uma relação tóxica (e aprender a viver sem ela)

Estes são os sinais de alerta a que devemos tomar atenção, quando estamos perante um relacionamento marcado por emoções negativas.
Por Rita Silva Avelar, 25.09.2017
Os especialistas chamam-lhes relações tóxicas. São relacionamentos, amorosos ou não, que trazem negativismo à vida do outro e que a poluem de forma perturbante. Para Filipa Jardim da Silva, psicóloga, uma relação tóxica é "uma relação disfuncional e destrutiva, em que não existe o respeito necessário pela individualidade do outro, predominando a crítica, o julgamento, o ciúme e o poder. Se uma relação saudável tende a gerar potenciação mútua e constitui uma interação segura, onde o amor e o companheirismo predominam, uma relação tóxica cria precisamente o oposto", descreve a especialista. Por outras palavras, em vez de nos sentirmos mais felizes, enérgicos e confiantes "vamos sentindo-nos progressivamente mais tensos, inseguros, com uma autoestima mais frágil numa relação tóxica".
 
E se a definição de psicopata não estivesse assim tão longe de alguns comportamentos associados a estas relações? A verdade é que, à partida, quem começa um novo relacionamento não considera a possibilidade da pessoa que acabou de conhecer ter um distúrbio de personalidade, mesmo que lhe vislumbre alguns comportamentos inadequados e até mesmo agressivos. Para muitos de nós, pode ser difícil determinar se o nosso parceiro é saudável ou se os seus padrões de comportamento são indicativos de um problema maior. Para Filipa, há sinais a que devemos prestar mais atenção do que outros. "Uma relação tóxica constitui uma fonte de intranquilidade, de tensão, de medo. As dinâmicas pautam-se por uma assimetria de poder, por uma forte dependência emocional, por desrespeito psicológico e/ou físico e/ou por manipulação. É importante que todos estes alertas não sejam ignorados, de forma a não normalizarmos algo que não é saudável. Nunca será suposto sentirmo-nos inferiores e desrespeitados numa relação e, por mais ambivalência que possa existir na tomada de consciência e de decisão, é crítico que mantenhamos uma rede de suporte com familiares e amigos que nos possam apoiar num momento mais desafiante."

Segundo um artigo do Psychology Today, há vários alertas verbais e comportamentais aos quais devemos estar atentos. Frases como "sou superior a ti" são comuns em pessoas que estão associadas a distúrbios de personalidade, sendo que a missão principal é fazer o outro sentir-se inferior ao dizer-lhe constantemente que não é boa, ou bom, o suficiente. Para Filipa, a importância verbal num relacionamento é inegável no processo de identificação de comportamentos tóxicos. "Todas as frases que possam denotar desrespeito pela individualidade e liberdade da outra pessoa, num registo passivo-agressivo, são alertas que em menor ou maior escala deverão ser reconhecidos. Por isso, conclui: "De uma forma transversal, uma relação a dois deve ser uma fonte de segurança, amor, companheirismo. Com todos os desafios inerentes e diferenças a gerir, a sensação de aceitação incondicional e bem-estar predominam."


Alguns sinais tradutores de que podemos estar numa relação tóxica, segundo a psicóloga, na galeria acima.

Partilhar
Ver comentários
Últimas notícias
Vídeos recomendados
Outras notícias Cofina
1 Comentários
fazant Relação "Tòxica",sera uma semelhante à de Bruno de Carvalho, individuo, de origens "paizanas ", e cheio de pretenções a sêr "alguèm", falsificando, Cursos, e buscando , a "segurança", em produtos ,chamados "PARTY D.", tendo tido em tempos não muito longinquos, o prazêr de pôr o nariz ,em "Brancas"poções màgicas, que o ajudam na auto estima ,que normalmente não Tem !Como qualquer "dependente DESCONTROLADO, è um MENTIROSO PATOLÒGICO , e um Manipulador, que usa um Simpàtico CLUB, para se enriqueçêr, e SUJAR o BEM NOME de muitos ! Nãop aceita criticas, e como tal, EU critico-o! FB- Holland
25.09.2017
Subscrever newsletter Receba diariamente no seu email as notícias que selecionamos para si!